Imagem: Sebastião Salgado

Há 26 anos, no dia 7 de abril de 1994, aconteceu o pior genocídio em terras africanas. Foram 100 dias de crimes e assassinatos descritos pela ONU como “planificados e metódicos”. Estudos históricos provam que esse massacre é consequência da manipulação política e social dos colonizadores europeus que classificaram etnicamente a população segundo seus interesses de exploração. Se estima que foram assassinadas 800.000 pessoas e estupradas 200.000 mulheres.

Embora a morte do presidente de Ruanda, Juvénal Habyarimana, na noite de 6 de abril de 1994, tenha iniciado o genocídio, houve um conflito mais profundo, cujas causas se remontam ao período colonial do século XIX, quando os belgas tinham o controle do país e eles começaram a classificar a população de acordo com sua etnia. A desigualdade nos benefícios entregues a cada uma delas causou tensões.

A culpa foi dos colonizadores

O Tratado de Versalhes dividiu a África Oriental Alemã, passando a maior parte do território a ser conhecido como Tanganica, que foi colocado nas mãos da Grã-Bretanha, enquanto a parte ocidental correspondia a Bélgica. Formalmente, esta parte é conhecida como Territórios Belgas Ocupados da África Oriental. Em 1924, tornou-se Ruanda-Urundi, quando a Liga das Nações emitiu um mandato formal para garantir o controle total da área.

A presença belga no território era muito maior do que a alemã, especialmente em Ruanda. Embora pelas regras do mandato da Bélgica teria de contribuir para o desenvolvimento dos territórios e prepará-los para a independência, os belgas exploraram o território economicamente, obtendo lucros para a metrópole. O cultivo do café foi uma das principais atividades econômicas.

Para programar seu sistema, os belgas usaram a estrutura de poder indígena que consistia de uma classe dirigente tutsi, que governava a maioria da população Hutu. Os administradores belgas acreditavam nas teorias raciais da época e convenceram os tutsis que estes eram racialmente superiores. Embora antes da colonização, os Hutus tinham desempenhado um papel importante no governo, os belgas simplificaram os assuntos estratificando a sociedade por critérios raciais.

Os tutsis, que compunham 14% da população, receberam melhores empregos, considerando que eram mais parecidos com os europeus. Enquanto os hutus, principalmente em Ruanda, foram relegados a empregos com salários mais baixos.

Em 1962, Ruanda declarou sua independência e, em meio a um apelo por direitos iguais, o grupo étnico hutu assumiu o controle político do país. Mais de dez anos depois, em 1973, Hutu Juvénal Habyarimana chegou à presidência por meio de um golpe.

As tensões interétnicas continuaram a aumentar. Por esse motivo o governo e a guerrilha da Frente Patriótica de Ruanda (FPR), composta por rebeldes tutsis, assinaram um acordo de paz, mas sua implementação foi parcialmente adiada pelo presidente Juvénal Habyarimana, cujos aliados, extremista Hutus da Coalizão de Defesa da República (CDR), não aceitaram os termos.

Nos anos seguintes, ocorreram confrontos e massacres pelo controle dos recursos do país até a década de 1950 e um choque causou a fuga de milhares de tutsis para Uganda.

Os refugiados tutsis receberam apoio do presidente do Uganda, Yoweri Museveni, e planejavam retornar ao Ruanda. Essa foi a desculpa do presidente Habiyarimana (Hutu) para fomentar em 1991 uma campanha de ódio contra os tutsis e elaborar uma estratégia para exterminar aqueles que ainda viviam no país.

O trabalho principal recaiu na Universidade de Butare e na mídia. O primeiro criou uma historiografia que desumanizou os tutsis e os categorizou como invasores, uma narrativa transmitida pela Rádio Mil Colinas. Enquanto isso, o governo Habiyarimana organizou milícias hutus nas ruas, o Interahamwe.

Diante desse cenário, logicamente o general Romeo Dallaire, que comandava os Capacetes Azuis, enviou às Nações Unidas um fax alertando sobre um genocídio iminente, mas a carta foi ignorada.

Em 7 de abril de 1994, dois mísseis abateram o avião em que viajavam o presidente de Ruanda, Juvénal Habyarimana, e o Burundi, Ciprian Ntayamira. Os tutsis foram imediatamente culpados e o massacre foi chamado no rádio para começar.

Em 7 de abril, o primeiro-ministro Agathe Uwilingiyimana e soldados belgas da ONU foram mortos por forças do governo. Como conseqüência, a Bélgica e outros países retiraram todas as suas tropas. As condições já estavam em vigor para os assassinatos e outros crimes contra os tutsis e os hutus moderados em todo o país.

O genocídio começou em Kigali, onde o avião presidencial caiu, e rapidamente se espalhou pelo resto do país. As milícias hutus possuíam principalmente facões e outras armas primitivas.

Entre 800.000 e um milhão de ruandeses, incluindo tutsis e hutus moderados, foram mortos em 100 dias de crimes hediondos. Pelo menos 200.000 mulheres foram estupradas. Aqui surge a definição de genocídio e essa palavra é pronunciada pela primeira vez em 4 de maio de 1994 pelo secretário-geral das Nações Unidas, Boutors Ghali.

Segundo o RAE, o genocídio é o “extermínio ou eliminação sistemática de um grupo social baseado em raça, etnia, religião, política ou nacionalidade”.

As Nações Unidas não apenas ignoraram o fax que o general Romeo Dallaire enviou para alertar sobre o massacre que estava sendo preparado, mas também os Estados-Membros se recusaram a responder com tropas adicionais.

Somente em 22 de junho o Conselho de Segurança autorizou as forças francesas a enviar uma missão humanitária, chamada Operação Turquesa.

 O pós massacre

Em 22 de abril de 1995, 10 meses após o fim do genocídio, mais de 5.000 refugiados hutus foram mortos no campo de refugiados de Kibeho.

A responsabilidade Belga

No dia 7 de abril do ano 2000, dia do sexto aniversário do genocídio em Ruanda, o primeiro-ministro belga pediu perdão publicamente em Kigali. “Em nome do meu país, me inclino diante das vítimas do genocídio”, declarou ontem Guy Verhofstadt, durante uma cerimônia em Gisozi, subúrbio da capital ruandesa.

“Em nome do meu país, do meu povo, eu lhes peço perdão. Para que Ruanda (colônia belga até 1962) possa pensar no futuro, na reconciliação, devemos antes de mais nada assumir nossa responsabilidade e reconhecer nossa culpa. Toda a comunidade internacional carrega uma imensa e pesada responsabilidade”.

Ruanda hoje

O país africano é habitado por 84% da etnia hutu, 15% tutsi e 1% twa. Em 2003, após um referendo, os partidos políticos foram proibidos de “se identificar com uma raça, etnia, tribo, clã, religião, sexo ou qualquer outro critério de discriminação”. Dessa maneira, os ruandeses buscam impedir outros genocídios.

Em 25 de agosto de 2003, Paul Kagame venceu as primeiras eleições nacionais e foi reeleito em 2010. Sua etnia é tutsi, mas ele afirma que se define apenas como ruandês.

Após 26 anos do genocídio, Ruanda experimentou desenvolvimento econômico e social. Para 2017, seu PIB foi de US$ 8,6 bilhões, com uma renda per capita de US$ 724,7.

Também em 2017, a expectativa de vida passou de 49 para 64,5 anos e 84,6% dos cidadãos estavam cobertos pelo seguro nacional de saúde, enquanto a escolaridade infantil atingiu 98%.

Fontes: France 24 / Telesur / ONU / Folha de São Paulo / El País

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil