Neste 1º de agosto, os povos indígenas da América Latina celebram esse costume ancestral de gratidão à terra, que eles chamam de Dia da Pachamama ou Dia da Mãe Terra, sendo uma forma de gratidão, uma data para pedir e abençoar os frutos que a Pachamama oferece. “Pacha” significa universo, mundo, tempo, lugar, enquanto “Mama” é mãe.

É uma série de rituais e cerimônias que são realizadas dentro da cultura Aymara e Quechua do norte da Argentina. Também é comemorado na Bolívia e parte do Chile, assim como no Peru, Equador e Colômbia.

Segundo a cosmovisão andina de Qollasuyu, no mês dos ventos, no dia 1º de agosto a terra acorda, mexe tudo e lá estamos nós, seus filhos e filhas, para celebrar o Sumaj Kawsay, a boa vida, com canções e comida.

A celebração percorre nossa história e hoje encontra comunidades indígenas habitando vários territórios, alguns distantes de suas primitivas Pachas, mas em cada novo local continuam a manter viva a prática de cerimônias e cantos ancestrais.

O objetivo desta celebração é receber a bênção da Mãe Terra e agradecer o alimento e a fertilidade oferecidos por esta divindade dos povos originários. Embora os rituais consistam em uma invenção cultural indígena, o costume de oferecer alimentos se difundiu em diversas casas e famílias por todo o país e na América Latina.

Em algumas casas, as pessoas distorceram um pouco essas tradições e decidiram tomar um copo de cana com arruda no primeiro dia de agosto. Este ritual está relacionado com o festival que tem suas origens no norte da Argentina e nas regiões centro-norte andinas da América do Sul.

A Corpachada é o ritual mais conhecido ligado a esta ancestral celebração indígena. Consiste em uma cerimônia de consagração, na qual é cavado um poço – representando a foz da Mãe Terra – e ali são entregues as oferendas da população.

A oferenda à Pachamama é feita porque assim o ser humano devolve à Mãe Terra tudo o que dela tirou. O objetivo da festa é que tanto os humanos quanto a natureza permaneçam em um equilíbrio mútuo.

A cerimônia também inclui agradecimentos, orações e pedidos das famílias para o restante do ano.

Apesar de o dia 1º de agosto ser o dia oficial da celebração, a verdade é que os rituais de agradecimento e pedidos realizam-se ao longo do mês de agosto.

A Pachamama é a Mãe Universo que honramos todos os anos no âmbito do respeito por ser nossa mãe. Nós dependemos disso, é comida. Se falamos da Pachamama, temos que falar das altas montanhas, dos rios, das florestas, de todos os seres que a habitam – animais, plantas – no âmbito do respeito. Recebemos uma grande responsabilidade quando crianças, de cuidar dela, de ser seus guardiões, protetores, dizem nossas antigas tradições. Infelizmente, quando os povos nativos decidem respeitar a Mãe Natureza, por outro lado (há) interesses escusos que a destroem.

O Dia da Pachamama também busca dar visibilidade aos problemas que afetam nosso planeta, como o desmatamento, os incêndios florestais, a depredação de plantas e animais, as mudanças climáticas, a extração ilegal de recursos naturais e a poluição ambiental.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Dríade Aguiar

Não existe 'Duna B'

SOM.VC

Gatunas: o poder da resistência e da representatividade na cena musical Paraibana

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

Jandira Feghali

O Rio que ri

Márcio Santilli

Bolsonaro lança campanha pela própria anistia

Estudantes NINJA

A luta pela educação em São Paulo: contra os cortes e os inimigos da educação!

William Filho

Legalização da maconha na Alemanha: o início de uma nova onda?

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia