Foto: EBC

Em 2016, quando o procurador lavajatista Deltan Dallagnol fez aparecer na tela uma espetaculosa, porém patética, apresentação de PowerPoint para jornalistas de todo o Brasil, já sabíamos que morava ali um comportamento estranho à seriedade e responsabilidade de uma investigação. Tentava incriminar Lula a todo custo. Porém, apresentava ilações e não provas, manchando a reputação de uma liderança política pública, de repercussão internacional e com claras consequências políticas e pessoais.

E quando vieram as denúncias do site Intercept Brasil, ficou claro para todos, tanto aqueles que sabiam ou não do abjeto jogo de conluio e parcialidade daqueles que dizem fazer… “Justiça”.

A primeira delas chegou há dois meses nas caixas de e-mail dos brasileiros e pelo portal jornalístico de Glenn Greenwald. Lá estava, através de mensagens do próprio procurador, obtidas pelos jornalistas por meio de fonte confidencial, que até ele mesmo, o tal com diploma de Harvard, duvidava de suas próprias convicções. E em conversas privadas no Telegram, Dallagnol compartilhava suas ilegalidades com seus companheiros de Lava-Jato.

Hoje, Deltan tenta transparecer um brilhantismo egoico como chefe da Lava-Jato, mas pelo que já está divulgado, sempre foi subchefe do então juiz, tão criminoso quanto, Sérgio Moro. Numa parceria marginal à Constituição, às leis e aos estatutos que regem a magistratura e o Ministério Público, os dois tramaram contra o ex-presidente Lula e sua defesa durante anos, mostrando que já estava erguido o castelo de arbítrios. Um verdadeiro Estado paralelo.

E vieram mais denúncias do Intercept, da Folha de São Paulo, do El País, do UOL, da rádio BandNews e até mesmo da Revista VEJA. Deltan consentiu nos chats em proteger o senador Flávio Bolsonaro, ponte principal de investigações de desvio de recursos públicos por laranjas do PSL, ao fazer vista grossa para as intenções de Moro no caso. O procurador também deu palestras remuneradas, inclusive para empresa investigada pela Lava-Jato e se encontrou com banqueiros e investidores sob sigilo: “Achamos que há risco sim, mas que o risco tá bem pago rs”, escreveu Dallagol no Telegram.

No caso mais recente, Deltan e Lava-Jato tentaram investigar ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e suas esposas. Até tentaram pressionar a procuradora geral, Raquel Dodge, constrangendo-a publicamente junto à imprensa.

Há alguns meses, Dallagnol e seu mais chegado colega, Carlos Fernando, foram flagrados constituindo uma fundação com dinheiro público, devolvidos da Petrobras para a União. Felizmente foram barrados nesta ilegal empreitada.

Como se vê, Dallagnol é um agente de ilegalidades numa força-tarefa que se viu acima da legalidade do país, violando o Estado democrático de Direito e insuflando o caos. Se utilizou do cargo e dos processos no sistema de justiça e aliados, associado ao monopólio midiático brasileiro para destruir um projeto politico e favorecer outro. Claro, sem esquecer seus próprios desejos e interesses.

Como disse o ministro do STF, Gilmar Mendes, “A República de Curitiba não tem abrigo na Constituição”. E não tem mesmo. O que fora revelado até então é gravíssimo e já seria condenado fortemente por qualquer democracia digna deste nome. O Brasil precisa se reinserir nesta categoria!

Deltan precisa ser afastado da Lava-Jato e do MP o mais rápido possível. Suas ações precisam ser profundamente investigadas e ele responsabilizado por seus crimes.

Fora, Dallagnol!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família