.

O Governo está de cócoras. Após assistirmos uma greve de caminhoneiros com consequências gravíssimas em vários setores, da alimentação aos combustíveis de automóveis e aeronaves, a solução que chega é um acordo feito às pressas com representantes patronais para desoneração do diesel. Porém, quem vai pagar essa conta é o contribuinte brasileiro, com impacto direto em investimentos sociais. Além disso, não há alterações na política de preços da Petrobras. Ou seja, o Governo resolve o problema dos grandes empresários, mantém a política entreguista, mas não aponta nenhuma solução para o mercado interno.

As perdas da Petrobras, via subsídios de fonte desconhecida graças a um Teto de Gastos que o próprio Temer impôs, não responde à demanda e nem ao desejo popular pela redução do preço do gás de cozinha e da gasolina. Motoristas continuam fazendo filas gigantescas nas capitais e interior do país para abastecer, e com valores que flutuam ao compasso da ganância de alguns donos de postos. De outro lado, mais de 1 milhão de famílias apelam ao fogão à lenha e carvão, porque não conseguem mais comprar um simples botijão de gás.

Para compreender o “chicote” no lombo do trabalhador, é preciso esmiuçar a política de preços da Petrobras, mantida pelo seu presidente, o tucano Pedro Parente (o mesmo que esteve a frente do apagão elétrico no Governo FHC).

O aumento do preço dos combustíveis se dá em função de uma política que fez a clara opção de atender interesses externos, em detrimento de nosso desenvolvimento. Mas por que o preço flutua de acordo com os valores praticados no exterior? Porque o presidente ilegítimo decidiu que temos que exportar nosso pré-sal cru e importar os derivados de petróleo. Assim, exportamos um produto sem nenhum valor agregado e importamos outros de valor alto e volátil.

Dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços dão conta que, antes do impeachment, a participação dos Estados Unidos em nossas importações de óleo diesel era da ordem de 40%. No período imediatamente posterior ao golpe, a proporção foi elevada a 80%. Em números, o absurdo fica ainda mais claro. No primeiro quadrimestre de 2018, o Brasil importou US$ 2,39 bilhões em óleo diesel. No mesmo período de 2016 esse valor foi de US$ 713 milhões. Um aumento de 235%.

Como se vê, uma política entreguista. Que fecha os olhos e ouvidos às demandas do povo brasileiro, enquanto se ajoelha às vontades de outros países. Que anuncia a redução drástica da produção de nossas refinarias e a privatização de 4 delas. Um duro golpe à nossa soberania e aos ganhos que adviriam de uma riqueza, o pré-sal, que poderia ser revertida em políticas de saúde, educação e segurança. Em geração de emprego. Em desenvolvimento do país.

Os Estados Unidos agradecem enquanto a sociedade padece com os constantes aumentos dos derivados de petróleo por aqui.

A reivindicação dos grevistas é legítima, afinal, os tributos nos combustíveis são altíssimos. Mas, nossa preocupação é grande também com o impacto dessa paralisação. Pelo tamanho da mobilização, as consequências são imprevisíveis, para as famílias e para a economia. A permanência deste processo, sem solução por parte do governo, pode gerar mais instabilidade, o que não é indiferente ao povo quanto aos seus resultados. Um terreno fértil para que se apresentem saídas mágicas, mas quase sempre desastrosas para o país.

Qualquer saída para esta crise passa necessariamente pela mudança da política em curso, com papel no desenvolvimento interno, de geração de renda, emprego e fortalecimento da economia nacional. E isto só se dará pelo fortalecimento da democracia. Não há solução fácil ou milagrosa. O que começa errado não tem como dar certo. E este governo foi alçado a tal condição pelo caminho antidemocrático de um golpe. Nossa resposta deve vir das urnas. E até lá: Fora Parente! Fora Temer!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família