O meme presidente. Foto: Sergio Moraes/Reuters

O Capitão chegou! Mas o Mito tem pés de barro. Ouvindo os dois discursos de posse de Bolsonaro a vacuidade é o mais impressionante, em ritmo de memes, slogans e frases para o whatsapp. A expressão mais repetida por Bolsonaro é “sem viés ideológico”. Falou em livrar da “submissão ideológica” e que o “Brasil voltará a ser um país livre das amarras ideológicas”. Depois de “libertar o país do socialismo” e do “politicamente correto”, “da ideologia de gênero” e valorizar o “cidadão de bem” e ainda “retirar o viés ideológico das relações internacionais”.

Combater o “viés ideológico” para os bolsonarianos é simplesmente combater e reprimir a liberdade de pensamento. Impressionante como a mídia não consegue vocalizar que Bolsonaro chegou e foi eleito com um ideário e um “VIÉS IDEOLÓGICO” de extrema-direita e o que isso significa em termos de direitos e de liberdade. De ataque ao humanismo e mesmo ao liberalismo, para nem falar de esquerda, mas de valores civilizatórios e iluministas.

Com sua retórica ideológica contra as ideologias atacou os direitos humanos, vistos como ameaça: “É urgente acabar com a ideologia que defende bandidos e criminaliza policiais.”

A segunda palavra mais citada é Deus e em nome de Deus se propõem todo um programa de intolerância que ameaça defender a família brasileira e a bandeira verde-amarela com “sangue”. Repetiu sob aplausos que “Nossa bandeira jamais será vermelha”. O verde-amarelismo da direita e da extrema-direita não tem nada de “técnico” e é um “viés ideológico” perverso que manipula o sentimento de país e de comunidade.

Na lógica delirante (um dos componentes fortes da grandeloquência bolsonarista, dos seus ideólogos como Olavo de Carvalho e de parte dos eleitores) surge a promessa de combater o “Brasil socialista”. E aqui o termo socialista, completamente fora de lugar, serve apenas para criar um “fantasma” e uma ameaça ficcional (leia-se, dizimar direitos e programas sociais, desmontar o Estado e vender seus ativos).

O General Mourão discursando parecia emitir um intenso urrar: como se pode passar tantos signos de truculência apenas com a voz?! Temer, o pusilânime, ao passar o cargo, parecia ter encolhido, portando uma enorme faixa presidencial que o diminuiu ainda mais.

A tradução para surdos (com seu gestual dramático) usando Libras poderia ser entendida sem o discurso de Bolsonaro, tal sua obviedade. Mas Michele Bolsonaro fez um show à parte e trouxe o tema da inclusão de uma minoria: os surdos e o ideário de uma primeira-dama que cuida dos “projetos sociais” do governo e apoia o marido com beijos.

Lembram da LBA? Legião Brasileira de Assistência? A LBA que acabou no governo Collor com denúncias de fraude e tinha as primeiras-damas do governo federal como presidentes.

O nível de expectativa criada é gigantesca. Agora veremos o desgaste e o peso da faixa presidencial. E se os memes e palavras de ordem, tão maniqueístas, são sustentáveis!

O tratamento dado a imprensa na cobertura da posse causou indignação: os jornalistas estrangeiros abandonaram a cobertura, acusando a organização de os manterem sem mobilidade e em cárcere privado, confinados em uma sala.

Justiçamento e Ressentimento

Mas afinal quem Bolsonaro representa no Planalto? Por que temos a impressão que elegeram o “tiozão do churrasco” para Presidente do Brasil? O tiozão e seus amigos reaças. Um grupo que fala diretamente a linguagem da classe média brasileira, do homem médio, mediano. Aquela figura sem feitos e sem qualidades que produz uma identificação imediata: “olha ali ele batendo um prato de macarrão com a faixa presidencial”, “olha ali ele puxando a caneta Bic”, “olha ali ele desajeitado com o terno que parece lhe incomodar”, “olha ai a mulher dele que simpatia!”.

Todo o ressentimento produzido nos últimos anos pela e para a classe média brasileira universal (que se estende por qualquer grupo que tenha os mesmos valores) reaparece em cada frase de Bolsonaro que promete ataque e vingança: destruir o Brasil que se ergueu nos últimos anos, retirar todos os “privilégios” (leia-se os direitos) dos mais pobres, das minorias, da cultura, de todos que afrontam essa maneira de ver o mundo simplificada.

Um mundo anacrônico, onde meninos são príncipes e meninas são princesas, onde menino veste azul e menina veste rosa, como discursou a Ministra da Disney, Damares Alves, ao assumir o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Bolsonaro é o homem sem qualidades, o catalisador de todo esses anacronismos e também o vingador que dá voz aos ressentimentos acumulados.

Eis ai alguns dos primeiros sinais emitidos pelo governo de extrema-direita que começa. Estejamos prontos!

P.S. Grande momento da posse: um cavalo rebelde dos Dragões da Independência tenta impedir o carro com Bolsonaro de avançar : ) #2019 #Bolsonaro #posse #FelizAnoBozo

Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Ana Claudino

Seu silêncio não vai proteger você

Amara Moira

Manifestações em tempos de pandemia

Marielle Ramires

Democracia com luta, ou não haverá

Colunista NINJA

Vivemos também uma pandemia de horror

Daniele Apone

Vamos salvar nossa economia?

SOM.VC

CALL CENTER - Encontros Webnaries Performance and Música

Randolfe Rodrigues

Liberdade de imprensa é valor inalienável da sociedade civil

Dríade Aguiar

O que deveríamos estar fazendo no "Blackout Tuesday"

Fred Maia

Quando a montanha pariu um monstro

Daniel Zen

Aspectos jurídicos polêmicos sobre o inquérito das fake news

André Barros

Viva Marielle! Fora Bolsonaro!

Movimento dos Pequenos Agricultores

Se não plantar agora, a fome virá em seguida

Tulio Ribeiro

Vingança! Viva o Rei Messias!

Luiz Henrique Eloy

Terras indígenas na pauta do Supremo: Teoria do indigenato versus marco temporal

Talles Lopes

É pior do que parece…