O Santander Cultural de Porto Alegre cedeu ao obscurantismo e acaba de fechar, neste domingo, 10/09, uma exposição com cerca de 270 obras de arte em que as questões de gênero, diversidade, queer, temáticas LGBT são tratadas.

Milton Kurtz (Foto: Santander Cultural/Divulgação)

A pressão veio de movimentos como o MBL que postou no seu site e página do Facebook, matéria incitando o ódio, acusando o curador de perversão, ameaçando e agredindo verbalmente os visitantes e artistas (ver relato no FB) em nome da moral e dos bons costumes!

O mais espantoso, a exposição “QueerMuseu: Cartografias das diferenças na arte brasileira”, com curadoria de Gaudêncio Fidelis, que foi curador-chefe da 10ª Bienal do Mercosul, em 2015, simplesmente traz obras de Volpi, Portinari, Flávio de Carvalho, Ligia Clark, Alair Gomes, Adriana Varejão, artistas mais que consagrados, e uma série de fotografias, esculturas, pinturas, filmes e vídeos, colagens gravuras de artistas contemporâneos e de todos os tempos.

Ou seja, os pseudos “liberais” atacam não só a liberdade de expressão, mas demostram uma vasta ignorância em relação as formas disruptivas da arte falar de comportamento, crenças, valores. O nome disso não é liberalismo é fascismo, literalmente.

A patrulha fundamentalista e de “ódioartivismo” repete o Partido Nazista da Alemanha, nos anos 30, que passou a perseguir o que considerava uma “arte degenerada”, ligada aos movimentos vanguardistas modernos.

Picasso, Matisse, Mondrian, glórias da arte mundial, foram considerados “degenerados” e execrados em exposições pelos nazis. Repete-se no Brasil de 2017 o ridículo histórico.

Obra de Allair Gomes exposta na mostra do Santander.

“Arte Degenerada” foi o título de uma mostra, montada pelos nazistas em Munique, em 1937, em que as obras modernistas eram acompanhadas de faixas e rótulos ridicularizando as peças expostas, inflamando e produzindo ódio na opinião pública.

O MBL está usando a mesma estratégia nas redes, alimentando um exército de zumbis que vêem “pornografia” e “depravação” em qualquer proposta que trate de diversidade, gênero, questões de comportamento, temáticas LGBT.

No meio de uma exposição gigantesca, com mulheres de Portinari e fotos de Alair Gomes, trabalhos de Leonilson, com 85 artistas e todas as linguagens, o exército de zumbis só vê “pedofilia”, “pornografia”, “depravação”, “imoralidade” , “blasfêmia”.

As imagens degeneradas? Uma figura de Jesus Cristo com várias pernas e mãos, como o Buda de mil braços, imagens com a inscrição “Criança viada travesti da lambada” e “Criança viada deusa das águas”, e o desenho de uma pessoa tendo relação sexual com um animal (coisa que no Brasil já virou até história em quadrinhos, só lembrar de Carlos Zéfiro, e seus “catecismos” eróticos, fora o conteúdo “adulto” na internet, na TV a cabo, no youtube, liberado para quem quiser ver).

.

Os novos moralistas também acusam o Santander Cultural de utilizar a Lei Rouanet (sempre ela!) para financiar a “arte denegerada” segundo a vasta ignorância cultural do MBL e seu exército teleguiado. Mas é justamente o contrário, em um momento extraordinário da cultura brasileira, essas obras e esse tipo de exposição nos fazem pensar, refletir questionar sobre a intolerância, o preconceito, a violência diante do outro e diante das diferenças.

Na sua Nota de cancelamento o Santander Cultural, que diz repudiar todo tipo de preconceito, e tinha apresentado a exposição QueerMuseu como um incentivo a “uma mudança no modo de pensar, em sintonia com uma sociedade diversa e democrática”, recuou lamentavelmente e cancelou a mostra que já tinha sido visitada por milhares de pessoas e ficaria em cartaz até outubro.

A máquina de retrocessos que está operando no Brasil é primária e boçal, esse ato de ódio e intolerância contra artistas, contra obras, contra sujeitos que lutam para se expressar é o signo não de uma “arte degenerada” mas de uma sociedade doente que não suporta a democracia, que não suporta a existência dos outros! Mas estão mexendo com o mais potente e poderoso: o “parlamento dos corpos”, a lei do desejo e essa é difícil de censurar ou calar.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?