Imagem-meme / Divulgação

Se isentar é delirante! A cultura do cancelamento não basta em uma democracia, mas as redes e as polêmicas envolvendo celebridades ajudam a entender que ficar “em silêncio” hoje em meio a uma catástrofe política e humanitária é socialmente inaceitável.

“Não sou bolsominon, não apoio os ideais arrogantes de extrema direita e nem apoio os delírios comunistas da extrema esquerda”.

A atriz Juliana Paes lançou um “movimento” inusitado: a manifestação pelo direito à não manifestação! O protesto pelo direito ao não protesto e a omissão.

Um vídeo-manifesto que toma partido para não tomar partido em um país que não está “dividido” ou polarizado simplesmente, está estraçalhado.

Quando milhares de brasileiros têm que se manifestar para defender a vida, a vacina, o auxílio emergencial, as universidades públicas, os povos indígenas, a juventude negra, a cultura, o meio ambiente, etc se isentar é que é delirante!

A omissão e isenção nesse momento são um real extremismo, sempre foram. Quando não são um bolsonarismo enrustido ou envergonhado.

E esses “comunistas delirantes”? Onde vivem? O que comem? Quem explica pra ela que o “comunismo brasileiro” é um delírio da extrema direita?

Quem explica pra ela que nós não conseguimos nem ser capitalistas direito? Temos um capitalismo mafioso/miliciano e neoescravocrata.

Mas Juliana Paes tem razão em uma coisa, não é só ela que pensa assim! “Eu estou no lugar do desamparo”.

“Quero respeito, acolhimento a todas as causas minoritárias, mas quero que isso aconteça independentemente de ideologia política. Eu quero respeito, equidade, empatia entre as mulheres”, etc

Quem explica pra ela que isso tudo não é uma operação mágica “independentemente” de política? E quanto mais Julianas e artistas e todos e todas se manifestarem, se posicionarem mais chances dessas mudanças acontecerem. Porque 460 mil brasileiros mortos estes sim não podem mais falar.

A cultura do cancelamento é muito cruel e fulminante, mas também é pedagógica. Em uma democracia em agonia quem não se posicionar já se posicionou!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Design Ativista

Mais que mil caracteres

Márcio Santilli

Golpe em falso

Juan Manuel P. Domínguez

A direita dá um banho de sangue no Peru

NINJA Esporte Clube

Camisa da seleção tem seu pior momento: é símbolo de terrorismo

Design Ativista

Quando a moda é criada com a natureza, por mulheres, em suas comunidades

Uirá Porã

O início de uma era singular

Márcio Santilli

Militares precisam incorporar emergência climática a sua visão estratégica

Eduardo Sá

Folha Seca: a livraria que há 25 anos promove cultura e política no Centro do Rio de Janeiro

NINJA Esporte Clube

A indignação seletiva e omissão do futebol brasileiro com Daniel Alves

Márcio Santilli

Direita quer mutilar Frente Parlamentar Indígena

Célio Turino

Sobre os Pontos de Cultura e o conceito de Cultura Viva

Ivana Bentes

Olhar é um ato violento

Márcio Santilli

Marina no clima

Mariane Santana

Censurada, novamente, a fotógrafa Pamela Facco cobra judicialmente o Instagram mesmo após ter ganho caso em 2019 contra danos morais à sua conta