Foto: Dominique Pineiro

Difícil comensurar o quão perigoso e desestabilizador foi o assassinato do comandante do Quds, braço de política externa da Guarda Revolucionária Qassem Soleimani por drones estadunidenses na última quinta-feira, 2. Não só porque o general era considerado um herói nacional em seu país e foi arrancado do mundo de forma tão violenta que o corpo só pôde ser reconhecido por um anel preso a um dedo decepado, mas porque a execução teve todas as características de atentado terrorista. E cada vez que um Estado apela abertamente ao terror, quem ganha legitimidade é o terror, não o Estado.

Vejamos por que “atentado terrorista” é a melhor definição para a ação unilateral da administração Trump:

1) Aconteceu de surpresa, à revelia de qualquer esfera democrática. Não teve aval do Congresso, o que fere a Constituição dos EUA; ocorreu em território iraquiano sem autorização de Bagdá, o que fere a soberania nacional do país, a Convenção de Genebra e as regras de engajamento da ONU e da OTAN; não foi comunicado nem autorizado pelos membros da comunidade internacional, contrariando todos os princípios de multilateralidade;

2) Não teve objetivo geopolítico tangível. De acordo com o Pentágono, Soleimani foi eliminado para evitar que planejasse “ataques futuros” contra os EUA. Como bem observou a relatora da ONU para execuções extra-judiciais, Agnes Callamard, risco “futuro” é muito diferente de risco “iminente”, que é a terminologia empregada pela lei internacional. Futurologia não pode justificar assassinato.

3) O ataque aconteceu de forma tão sorrateira e unilateral que Donald Trump teve de reivindicá-lo via Twitter. Quem reivindica atentado é organização terrorista; Estado declara guerra e combate a partir de um conjunto de regras pré-estabelecidas, acordadas pela comunidade internacional como forma de minimizar o sofrimento de populações civis e não-combatentes. Ao desrespeitar este princípio, um Estado automaticamente aumenta o risco para a população civil e, consequentemente, dissemina o pânico.

Trump é louco, mas a loucura é regra

Ao que tudo indica, Trump decidiu por conta própria colocar o mundo à beira da terceira guerra mundial. Ele pode ter feito isso para se fortalecer internamente. Diante de uma ameaça externa concreta, o público estadunidense tende à manutenção do status quo, principalmente quando o representante do status quo veste a capa do “homem forte”. Foi assim com Bush e Nixon, por exemplo.

Uma eventual guerra pode aproximar o presidente da reeleição e abalar o processo de impeachment que já passou pelo Congresso e, embora tenha chance quase nula de sobreviver ao Senado de maioria republicana, pode desoxigenar a candidatura presidencial. Ou seja, a aposta de Trump é desumana e irresponsável, mas não irracional do ponto de vista da história eleitoral dos Estados Unidos.

O embuste iraquiano deveria ter motivado uma reorganização da estrutura de poder no mundo, que permitisse frear novas arbitrariedades imperiais. Mas aconteceu o contrário.

Ao mesmo tempo, a mesquinharia do presidente não explica tudo, como gostaria a cúpula democrata. O assassinato de quinta-feira é consequência de uma longa história de excepcionalismo dos Estados Unidos, um país que só obedece a uma regra: a subversão das regras. Não é a toa que Washington nunca ratificou a criação do Tribunal Penal Internacional; o Império se reserva o direito de supervisionar os supervisores.

O cão raivoso deveria ter sido domado já em 1945, quando assinou o maior atentado da história, a explosão nuclear das populações civis de Hiroshima e Nagasaki. Nunca ninguém foi responsabilizado por esse ato de terror, o que criou uma avenida para que os Estados Unidos estabelecessem uma lei para si próprios e outra para o resto mundo. Esse comportamento paralegal atingiu novos patamares em 2003, quando a administração Bush objetivamente cancelou a ONU ao invadir o Iraque sob falso pretexto, sem autorização da comunidade internacional. O embuste iraquiano deveria ter motivado uma reorganização da estrutura de poder no mundo, que permitisse frear novas arbitrariedades imperiais.

Mas aconteceu o contrário. O falso pretexto e a unilateralidade se tornaram regra porque a necessidade paranóica de autoproteção nacional subiu para o topo da agenda global. O medo virou o principal afeto político; o individualismo, a principal motivação eleitoral; e a promoção do terror, o modus operandi declarado do Estado.

Neocruzadismo: a substituição da política pela religião

De maneira análoga ao que fizeram os nazistas com a chamada “Solução final”, a invasão do Iraque determinou que as regras podem ser descartadas em nome do combate ao mal. Afinal, o mal é uma entidade absoluta, etérea, da ordem da moral, que só pode ser enfrentado em guerra santa. O mal vive fora do reino da racionalidade e para enfrentá-lo, é necessário descer ao inferno. Então, não é preciso justificar uma prisão de exceção jurídica como Guantánamo ou os “assassinatos colaterais” revelados pelo Wikileaks. Tudo isso, até o mal, se faz em nome do bem.

O combate ao mal se tornou a principal motivação ideológica da geopolítica contemporânea, sem que o crime de terrorismo tenha sido sequer tipificado de forma precisa

E essa ideia, apesar de absurda, é profundamente arraigada no conjunto de valores binário, platônico, da tradição judaico-cristã. A tal ponto que o combate ao mal se tornou a principal motivação ideológica da geopolítica contemporânea, sem que o crime de terrorismo tenha sido sequer tipificado de forma precisa. Terrorista é o mal, é sempre o outro.

Ou seja, a guerra dos Estados Unidos contra o povo iraquiano substituiu a política pela religião como base do ordenamento jurídico internacional. Sob Bush, Washington encerrou a era de multilateralidade nascida para evitar uma nova guerra mundial e restabeleceu as cruzadas.

Como o mundo assistiu de braços cruzados a essa contrarrevolução medieval, a arbitrariedade cresceu mundo afora. Do grupo Estado Islâmico à política antidrogas de Rodrigo Duterte; da limpeza étnica em Mianmar à limpeza étnica em Rojava; do Boko Haram ao Brexit; da prática genocida de Witzel à prática genocida de Benjamin Netanyahu, tudo isso vem na esteira do desordenamento jurídico causado pela Guerra ao Terror.

O Império não podia ficar para trás na festa do cada um cada um. Em seus dois mandatos, Barack Obama sancionou pessoalmente centenas de ataques de drones contra alvos diversos e imprecisos, da Líbia à Somália, passando por Iraque, Afeganistão e Síria. Boa parte do establishment liberal que hoje se espanta com o dedo nervoso de Trump para caçar uma guerra absurda com o Irã defendeu o programa de drones de Obama. Por que? Porque Obama era responsável, inteligente, sofisticado, um gentleman.

Fascista mata fedido, liberal mata limpinho

Trump, por outro lado, é tosco, misógino, racista, xenófobo etc., etc., etc. Mas, na prática, os dois são assassinos que surfam na conivência da comunidade internacional com o excepcionalismo do Império. A diferença é que fascista mata fedido, enquanto liberal mata limpinho. O problema do mundo não é Trump, Obama, Nixon, Bush. O problema é a existência de um Império que objetivamente se coloca acima de todas as regras da comunidade internacional para se vender como promotor do bem, independentemente do mal que cause. O problema é a fraqueza do internacionalismo, da multilaterialidade, dos mecanismos de governança internacional.

O planeta precisa virar de ponta-cabeça. O único jeito de evitar uma catástrofe agora, tanto do ponto de vista climático, quanto bélico, quanto moral, é a redistribuição radical do poder: geopolítico, econômico, informativo. Ou construímos um outro mundo, plural, diverso, organizado com base na solidariedade, ou o terror será a única moeda de troca política da humanidade.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Daniel Zen

Acessibilidade e portabilidade à prova da ignorância

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família