Arte: Cris Vector / Design Ativista

O presidente Jair Bolsonaro e seus ministros carecem de um traço característico dos homens públicos sérios, dos verdadeiros estadistas. Lhes falta a hombridade, a dignidade e a honradez de assumir os próprios erros para, ao menos, tentar corrigi-los. Estão sempre procurando culpados dentre os seus adversários, apontando o dedo para os outros.

Com eles, vale a retórica do cinismo, a lógica da pós-verdade. Houve aumento no desmatamento? A culpa é das ONG’s ambientalistas. Queimadas na Amazônia? Leonardo DiCaprio! Vazamento de óleo no litoral? Greenpeace! Declarações nazistas do ex-secretário especial da Cultura, Roberto Alvim? Foi algum assessor que sacaneou ele. Gasto de R$ 48 milhões para abrir uma caixa-preta do BNDES – que nunca existiu – e descobrir que não havia nada dentro dela? Foi o “garoto”, presidente do banco, que não fez a auditoria direito.

A esculhambação generalizada envolvendo o ENEM 2019 é somente mais um exemplo do caos que se instalou no Palácio do Planalto e na Esplanada dos Ministérios. O que era pra ser “o melhor ENEM de todos os tempos”, segundo fala do ministro Weintraub (Educação), virou um pesadelo para os candidatos e um caso de Justiça.

Erros grotescos na correção das provas. Erros no sistema de inscrições e nas listas do SISU. Ministro conferindo gabarito de filha de amigo. Suspensão dos prazos de inscrições no PROUNI. Servidores de carreira do MEC declarando que o resultado não é confiável. É um absurdo o que estão fazendo com a Educação brasileira. A desculpa esfarrapada, mais uma vez: sabotagem.

Em qualquer um desses episódios, a estratégia é sempre a mesma: colocar a culpa nos outros, alegar complô, conspiração, conluio. Mas, os problemas, em verdade, é que são outros. Como assinalou o colunista Bruno Boghossian, em artigo publicado na edição de 29/01 da Folha de São Paulo, não se trata de sabotagens: são defeitos de fábrica mesmo. E daqueles que não têm conserto.

Aqui no Acre não está sendo diferente. Houve aumento da criminalidade no Estado? Sim. Segundo o comandante da PM, o mesmo que – dizia-se de si mesmo – iria aplicar um “choque” de gestão na segurança pública, a culpa não é do governo. É dos deputados de oposição e da imprensa, que ficam criticando a segurança pública e noticiando os assaltos e homicídios; e que, ao assim agirem, se tornam aliados das facções! Cinismo maior, impossível.

Na lógica da pós-verdade, a verdade é o que menos importa. Importa acreditar naquilo que você quer, nem que, para isso, tenha que lançar mão dos argumentos e justificativas mais estapafúrdios, fundamentados nas mais canhestras fake news. Desde que satisfaça os seus desejos mais íntimos, suas crenças e preconceitos mais recônditos, está valendo.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família