Reprodução / Instagram

Debaixo de uma peruca esbaforida, a drag gamer Wanessa Wolf brinca com seu leque preto diante da lente que transmite sua live no Facebook para milhares de pessoas. Ela arremessa o acessório tentando pegá-lo no ar e, sem destreza alguma, deixa-o cair. Seus gatos que a fitavam curiosos saem em disparada assustados. O vídeo estilo trapalhada é compartilhado centenas de vezes na internet.

Wanessa é um espetáculo. Primeiro porque se conecta com uma parcela enorme de jovens da geração z com um estilo bem próprio. Wolf, ou mais conhecida como “velha” – apelido carinhoso do seu próprio fandom – sabe rir de si própria. Com maquiagem muitas vezes borrada e uma lace mal colocada, é um fenômeno no mundo gamer e das plataformas de consumo rápido.

Eu acompanho a personagem de Wallace Souza, um leonino de 32 anos, há tempos. Primeiro porque eu sou um aficcionado por esses criadores de conteúdo que surgem no seio virtual das novas tendências e, de quebra, me divirto. É um humor de milhões para quem goza com o escracho.

Numa dessas lives, Wanessa aparece passeando por Botafogo, no Rio, através do Google Earth. “Ela” para diante de uma banca de jornal e vê um cartaz que divulgava a gravação de Ludmilla no pagodinho Numanice. WW lê com dificuldade: “Numa Nice? Quem é Numa Nice? Parece a Ludmilla”. Realmente confusa e sem forçar a barra, ela tentava entender a publicidade. O público veio abaixo. E, é claro, os views e compartilhamentos dispararam para cima.

É comum assistir WW divulgando montagens suas feitas pelos próprios seguidores ou xingando um seguidor espertinho que finge fazer um grande donate durante suas lives. Aliás, o pote de ouro do seu humor vem da interação nada singela com eles.

Agenciada pela Mynd8, Wanessa começou a bombar mais no últimos meses participando de eventos de grandes influenciadores digitais e com seus vídeos girando mais no Tiktok e Youtube. Aliás, é neles que ela investe para chegar em mais pessoas e ampliar seu público, muitos entre 15 e 20 anos. Um filão.

Porém, como na vida de todo santo brasileiro, nem tudo são flores para WW. Ela fala abertamente nas redes sociais – com seu evidente humor – que realiza tratamento para ansiedade. Importantíssimo para uma geração criada no caldo do imediatismo da sociedade líquida e que nem sempre se liga na importância de cuidar da saúde mental. A velha também é conscientização, sim, meu amor.

Wanessão tem tudo pra explodir mais ainda nos próximos meses. Seja pelos áudios com a vizinha que reclamava dos gritos, seja pelo seu jeitão que não mira na blogueiras perfeitinhas quando começa uma transmissão ao vivo. A geração Z, que comanda o sobe e desce das celebridades na internet, ama isso. Wanessa Wolf veio aí.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Design Ativista

Mais que mil caracteres

Márcio Santilli

Golpe em falso

Juan Manuel P. Domínguez

A direita dá um banho de sangue no Peru

NINJA Esporte Clube

Camisa da seleção tem seu pior momento: é símbolo de terrorismo

Design Ativista

Quando a moda é criada com a natureza, por mulheres, em suas comunidades

Uirá Porã

O início de uma era singular

Márcio Santilli

Militares precisam incorporar emergência climática a sua visão estratégica

Eduardo Sá

Folha Seca: a livraria que há 25 anos promove cultura e política no Centro do Rio de Janeiro

NINJA Esporte Clube

A indignação seletiva e omissão do futebol brasileiro com Daniel Alves

Márcio Santilli

Direita quer mutilar Frente Parlamentar Indígena

Célio Turino

Sobre os Pontos de Cultura e o conceito de Cultura Viva

Ivana Bentes

Olhar é um ato violento

Márcio Santilli

Marina no clima

Mariane Santana

Censurada, novamente, a fotógrafa Pamela Facco cobra judicialmente o Instagram mesmo após ter ganho caso em 2019 contra danos morais à sua conta