Queremos usar a coluna de hoje para agradecer os mais de 46 mil votos de confiança e esperança que foram depositados para que a Bancada Feminista do PSOL se elegesse como a segunda maior candidatura do PSOL em São Paulo.

Estaremos com Erika Hilton, Luana Alves, Toninho Vespoli, Celso Gianazzi e o Quilombo Periférico nesta nova bancada do partido – três vezes maior que a que temos hoje! – na Câmara Municipal em 2021.

As mulheres unidas têm poder: sabemos pelas que vieram antes de nós; sabemos pelo grito de milhões que organizamos no #EleNão; confirmamos de novo, dias atrás, pela nossa luta por justiça para Mari Ferrer em todo o país. Nosso feminismo existe onde há injustiça.

A Bancada Feminista estará não só com as mais de 46 mil pessoas que nos fortaleceram nos mais diversos bairros de São Paulo, mas também com tantas outras, apostando na defesa de um projeto feminista para os 99%: um plano de vida e dignidade para maioria de quem vive na cidade, todos que dependem do próprio sustento para sobreviver e que, hoje, vivem sob o risco permanente do luto e do desemprego.

Seremos as porta-vozes do projeto de renda básica emergencial paulistana, da bandeira da educação e saúde públicas, da justiça socioambiental, dos direitos da população LGBTQIA+ e da reformulação da segurança pública, afirmando a importância das vidas negras.

Levamos a sério o nosso princípio de coletividade: somos mulheres oriundas dos mais diversos espaços vivenciados pela classe trabalhadora. Estamos no chão das escolas, nos hospitais públicos, nos bairros das periferias, nos empregos precários. Acreditamos que nossa união é maior do que simplesmente a nossa soma.

Esse critério que apostamos para a formação do coletivo que compôs a candidatura também vamos utilizar na condução da mandata: além de nos dividirmos nas atividades políticas e parlamentares, também vamos abrir a mandata, através de plenárias regulares, aos movimentos sociais, coletivos e pessoas que queiram construir conosco a resistência aos retrocessos e o avanço das lutas sociais no parlamento e nas ruas.

O povo de São Paulo que não aguenta mais Bolsonaro e o PSDB pode contar conosco nas ruas, nas redes e na Câmara para fazer avançar um projeto de justiça social e de denúncia dos ataques aos nossos direitos sociais e democráticos.

Neste momento, estamos empenhadas para fazer virar o jogo em São Paulo e eleger um projeto de esperança, de defesa da vida e da igualdade social, representado por Guilherme Boulos e Luiza Erundina no segundo turno da eleição para prefeitura. Não mediremos esforços nas duas próximas semanas. O que está em questão é transformar São Paulo na capital da resistência no Brasil. Vamos fazer essa história acontecer.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil