https://www.facebook.com/advogadoandrebarros/videos/1768711929887584/

 

No 23º episódio do programa FUMAÇA DO BOM DIREITO, falei que, se seguirmos o que vem sido noticiado, parece ser fato consumado que Lula não será candidato. Ouvimos também muito pelas ruas a frase: “eles não vão deixar”.

Ora, temos uma Constituição Federal e duas leis complementares sobre a matéria. É importante destacar uma das principais garantias individuais em nossa democracia, prevista no artigo 15 da Constituição Federal: “Art. 15. É vedada a cassação de direitos políticos, cuja perda ou suspensão só se dará nos casos de:……III – condenação criminal transitada em julgado, enquanto durarem seus efeitos;” A garantia individual do pleno exercício dos direitos políticos veio após a ditadura militar, que cassou o direito político de todo brasileiro votar para presidente do Brasil durante 25 anos. De 1964 até 1989, era uma junta militar composta por um general, um brigadeiro e um almirante que escolhia o presidente do Brasil.

O país chegou a ser governado por uma junta completa pelas três armas, apelidada por Ulysses Guimarães de “os três patetas”. Assim, a vedação da cassação de direitos políticos, exceto em caso de condenação criminal transitada em julgada, veio de um grande movimento político que derrubou a ditadura e culminou na Constituição Federal em vigor. Lula não está nessa condição, pois contra ele pesa uma única condenação, que não transitou em julgado. Mesmo tendo sido o próprio Lula a ter sancionado a lei complementar nº 135, a da “ficha limpa”, que emendou a lei complementar nº 64, a mesma é claramente inconstitucional, pois nega, no artigo 15, o registro de uma candidatura declarada inelegível por um órgão colegiado, mesmo que não tenha transitado em julgado.

Diz ainda a lei complementar, em seu artigo 26-C, que a inelegibilidade pode ser suspensa, sempre que o recurso for plausível, por exemplo, quando há FUMAÇA DO BOM DIREITO. Ainda acerca do registro, o mesmo está assegurado pelo direito de petição, previsto na alínea “a” do inciso XXXIV do artigo 5º da Constituição Federal.

O requerimento de registro da candidatura de Lula, como de qualquer candidatura, não pode ser negado e, até para ser negado, precisa cumprir toda a tramitação prevista na lei, com seus respectivos prazos e o exercício do contraditório, da ampla defesa e do devido processo legal, com seus respectivos recursos.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Liana Cirne Lins

Assédio nas escolas

Juan Manuel P. Domínguez

“As mulheres estão sub-representadas na política”. Entrevista com Gleisi Hoffmann.

Renata Souza

Maio e a luta negra por liberdade

Ivana Bentes

Vômito Triunfal

Daniel Zen

Breves conclusões sobre a reunião ministerial de 22/04/2020

Juca Ferreira

Às margens do rubicão

Sâmia Bomfim

A esquerda paulista e a urgência de um novo tempo

Erika Hilton

Pandemia e LGBTs: os impactos sobre a vida dos mais vulneráveis

Juliana Cardoso

Violência contra as mulheres, feriadão e lockdown ou...

Boaventura de Sousa Santos

Requiem pela democracia

Movimento dos Pequenos Agricultores

Se não plantar agora, a fome virá em seguida

Tulio Ribeiro

Vingança! Viva o Rei Messias!

Luiz Henrique Eloy

Terras indígenas na pauta do Supremo: Teoria do indigenato versus marco temporal

Talles Lopes

É pior do que parece…

Felipe Milanez

Reunião revela a grande “oportunidade” do genocídio indígena