Cresci ouvindo dizer que água não se nega. Agora, o Congresso Nacional e o Presidente da República querem negar água às pessoas mais pobres do Brasil. Sabemos que milhões sobrevivem na miséria sem saneamento básico nem água encanada. O capital privado quer se apropriar da água que vem do céu, da via láctea, do universo. Vai vender também o ciclo da água, o calor do sol e a força da gravidade?

O capitalismo quer, mas não tem, o poder de transformar tudo em mercadoria. Será que o capital anseia por comprar o ar, ou quem sabe até os cometas que trouxeram as moléculas da água à terra? Sempre soubemos que esse é um sistema desumano. No Brasil, enquanto milhares de pessoas têm milhões em suas contas bancárias, inclusive no exterior, milhões não têm sequer o que comer. É uma ganância sem sentido, pois os muito ricos nem têm como gastar todo seu dinheiro, pois a vida tem seu tempo. Mas tudo tem limite! Privatizar a água é tão absurdo quanto achar que se pode comprar o ar, o tempo e o Universo!

A água não é do Estado, muito menos do mercado, é um bem comum. Se pensam que essa luta vai terminar, com essa privatização no meio de uma pandemia, se aproveitando do isolamento social, estão redondamente enganados.

Água é vida. Esse governo e a maioria que foi eleita desse Congresso Nacional manifestam pulsão de morte, mas será que estão mais fortes que a pulsação de vida das pessoas? Não acredito, pois a grande maioria da população está em casa, saindo de máscaras para trabalhar ou por absoluta necessidade dos serviços essenciais. Mesmo aqueles que, irresponsavelmente, vão às ruas, porque não aguentam mais ficar em casa, estão de máscaras.

Uma minoria está desmascarada por fanática ignorância. Isso causa algum pânico, pois nem cobrem o rosto para transmitir a morte e defender a ditadura e a tortura. Agora, aquelas micaretas golpistas em frente ao Palácio do Planalto e nas Avenidas Paulista e Atlântica cessaram assim que um movimento, ainda começando, mas já bem maior que o deles, formado por membros de torcidas organizadas e grupos antifas foi às ruas.

E o boquirroto ministro fujão? Apontou para a praça dos Três Poderes, disse que o STF só tinha vagabundos e estava ali para lutar, mas acabou fugindo correndo com o Diário Oficial falsificado debaixo do braço para as terras do tio Trump. Esse, por sua vez, deve perder a eleição, com o levante antirracista após a publicação do vídeo do assassinato sob tortura de George Floyd. Tudo em plena luz do dia, o que acontece diariamente nos Estados Unidos e no Brasil, sem gravação.

Muitos criticam e patrulham militantes de redes sociais, mas não liguem, pois temos de aproveitar todos os espaços enfrentando o que eles pensaram intimidar: esculhambando esse governo e exigindo sua saída da presidência do Brasil: FORA BOLSONARO!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

Vetos genocidas do Bolsonaro

Boaventura de Sousa Santos

A universidade pós-pandêmica

Juan Manuel P. Domínguez

“O lugar do artista é na luta”. Diálogos de quarentena com Rael

Renata Souza

Stonewall Inn.: orgulhar-se é transgredir

Cleidiana Ramos

O dia em que meu nariz me definiu como negra - notas sobre o racismo à brasileira

Jandira Feghali

Diga-me o que vetas...

afrolatinas

Contato com meu “Eu”

SOM.VC

RAP BR: Murica canta com sede de dignidade em novo álbum produzido por MK

Márcio Santilli

Sociedade civil se levanta contra Bolsonaro mesmo sob isolamento e penúria

André Barros

Operações racistas nas favelas

Colunista NINJA

O vírus e as trabalhadoras sexuais na Guaicurus, em Belo Horizonte

Juan Manuel P. Domínguez

"O DJ é um dos elementos pilares da cultura Hip Hop". Diálogos de quarentena com DJ Erick Jay

Randolfe Rodrigues

O Brasil que queremos no pós-pandemia

Jussara Basso

A cultura na periferia em tempos sombrios

Juan Manuel P. Domínguez

O demônio branco esteve infiltrado nos protestos pela morte de George Floyd