https://www.facebook.com/advandrebarros/videos/1849677675139545/

 

O vídeo mostra a força da causa da maconha com quase 20 mil compartilhamentos no Facebook, sem termos a possibilidade de saber a quantidade que circulou por WhatsApp. Trata-se de um vídeo político de um candidato que está há muitos anos na luta pela legalização da maconha e, com ela, a mudança dessa política racista de segurança pública. É importante registrar que a única forma de mudar esta sociedade brutalmente desigual é através da política. No entanto, a mídia oficial é concentrada nas mãos de poucos, e irresponsavelmente presta um enorme desserviço à nação ao imputar à política a causa de todos os males.

Essa mídia do capital, que não pode informar que esses políticos das quadrilhas dos milhões, na realidade trabalham e prestam enormes serviços às quadrilhas dos bilhões. Formadas por capitalistas milionários e bilionários, que assaltam bilhões do erário em obras e serviços públicos, combinando o preço e quem vai vencer a concorrência.

Com boa dose de ironia contra toda a hipócrita criminalização da maconha, o vídeo consiste numa apresentação, e é muito sério. Com termos jurídicos, apresenta o currículo acadêmico e de lutas de André Barros, candidato a Deputado Estadual do Rio de Janeiro. O número da candidatura é símbólico. O 50 do PSOL, que é o número do Partido Socialismo e Liberdade, e o 420 da planta, pois 420 era o código que a polícia de Nova Iorque usava para casos relacionados à maconha e também a senha de estudantes da Califórnia para fumar maconha. Por isso, 20 de abril virou o Dia Internacional da Maconha, que, em inglês, é escrito na forma 4/20, em função do mês 4 e do dia 20.

É um vídeo de enfrentamento de alguém que tem base jurídica e está na luta há muito tempo e tem consciência do que está fazendo. Quando digo que sou advogado da Marcha da Maconha pode parecer esquisito, pois esta “pessoa jurídica” não existe e a Marcha é um evento político. Mas sou um dos autores e signatários da representação encaminhada à Procuradoria-Geral da República em 2009 contra 10 decisões judiciais que proibiram a realização da Marcha em 10 cidades do Brasil. Essa representação gerou a Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental – ADPF 187, julgada em 15 de junho de 2011, e garantiu a realização da Marcha da Maconha em todo o Brasil pelo Supremo Tribunal Federal.

A decisão do STF garantiu que nenhuma autoridade brasileira pode interpretar que a Marcha da Maconha está praticando o crime de apologia e que o evento está garantido pelo direito de reunião e manifestação, exercício direto da democracia,onde todas e todos têm o direito de lutar pela mudança de uma lei. Trata-se apenas de uma pequena demonstração do que vou fazer no plenário da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro – ALERJ.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Filipe Saboia

Recapitulando

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil