“A gente não nasce negro, a gente se torna negro. É uma conquista dura, cruel e que se desenvolve pela vida da gente afora. Uma pessoa negra que tem consciência de sua negritude está na luta contra o racismo.”
Lélia Gonzalez

Não, pessoas negras não são todas iguais. Parece óbvio dizer isso mas infelizmente a realidade é outra. Os processos de colonização, criaram a categoria “RAÇA”, colocando o colonizadores (invasores) brancos-cis europeus como superiores aos povos indígenas e as pessoas negras escravizadas.

Nesse processo violento, nossas culturas e identidades foram retiradas a força de nós, passamos a ser vistos como uma coisa única pelo olhar colonial-racista.

Mas, pessoas negras são plurais!
Somos heteros
LGBTQIAP+
PCD’S
Gordes
Cis
Trans
De religiões de matriz africana
Evangélicos
Nerds
Ateístas
Budistas
Feministas Negras
Mulheristas Africanas
Da esquerda,
Anarquistas
Da direita (infelizmente)…

Quando comecei no meu ativismo, parecia que existia apenas uma única forma de ser mulher negra lésbica, durante muito tempo tentei construir a minha identidade nesse padrão até perceber que não me cabia ali.

O que traz a beleza da nossa existência é essa pluralidade que deve ser vista como algo positivo e não como uma estratégia da branquitude para separar e impedir uma unidade negra.

Precisamos entender que identidades negras são plurais e também enfrentam questões específicas, devemos nos unir nessa parte e avançar enquanto vários braços de um movimento.

Apesar de todos os corpos negros lidarem com o racismo estrutural, ele irá se manifestar de formas diferentes para cada um de nós.

Se não avançarmos coletivamente, não será revolucionário, apenas reformista. Avante

Até a próxima.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil