Foto: Reprodução / TV Globo

‘’É preciso organizar metas de conscientização da sociedade a respeito das raízes dessa violência que sempre nos assolou, e que no atual cenário tende a piorar de forma a nos deixar ainda mais reféns da sorte. Essa consciência só irá surgir a partir de diálogos e da disseminação de informações que confrontem o senso comum que a grande mídia luta bravamente para manter e cegar a população”, Laura Astrolábio.

Recentemente, escutei uma conversa entre três pessoas negras e pobres na entrada de um prédio comercial: uma recepcionista e dois seguranças. Eles estavam falando sobre Big Brother e “um tal de feminismo e direitos das mulheres”. Quando escutei o termo “feminismo” me aproximei mais para ouvir (como boa geminiana). Um dos seguranças estava falando que tem aprendido com o programa sobre feminismo e racismo.

Fiquei curiosa depois disso e fui pesquisar sobre BBB, em uma rápida busca no Google foi possível encontrar as polêmicas dos programas e algumas pautas de movimentos sociais/ativismos que os participantes estão falando a partir de suas experiências pessoais: racismo, gordofobia e feminismo foram as que mais apareceram. Por exemplo: a busca pela palavra sororidade aumentou em 250% no Google após ser usada pela cantora Manu Gavassi.

Me impressiono porque é o Big Brother Brasil, um produto da Rede Globo que faz coro nas narrativas anti PT que contribuíram para o cenário político-fascista em que vivemos hoje. Em se tratando da Globo, fico com meus dois pés atrás. Mas não sou inocente a ponto de achar que apenas o debate entre ativistas de movimentos sociais e partidos, assim como os que acontecem nas universidades, pode alcançar a base a ponto de cultivar uma consciência coletiva capaz de mudar toda a estrutura em movimentos sociais, sala de aula e na internet é válido para mudar toda a estrutura.

A TV aberta consegue chegar em vários territórios e classes sociais que a internet ainda não consegue alcançar. E não é só isso. Existe também o habitus, já que o fato do acesso à internet ter sido ampliado não significa que o usuário que não tem o hábito de assistir a outra coisa que não seja novela e BBB passará a assistir a aulas sobre feminismos ministradas por doutores no YouTube, por exemplo. De todo modo, de acordo com pesquisas recentes, mais de um terço das casas brasileiras não possuem acesso nenhum a internet. E o que falar a respeito do acesso a TV por assinatura, que oferece um conteúdo para além de novelas e BBB? 

E por que é preciso falar sobre isso? Porque até hoje não aconteceu a democratização da mídia e as grandes emissoras de TV se beneficiam das concessões públicas há anos e com suas estratégias se mantém dominando o campo da mídia.

Sendo assim, eles vão ter controle por exemplo sobre qual tipo de conteúdo vai chegar na casa daquelas pessoas que não têm acesso a internet e não podem escolher ainda o que vão assistir como muitos de nós daqui nas áreas urbanas da região Sudeste, por exemplo, podemos escolher quando abrimos nossas redes sociais, o Youtube e os serviços de streaming.

E onde o Big Brother entra nisso? Bom, lembra daquelas três pessoas que comentei no início do texto? O BBB pode ter sido o primeiro acesso delas a debates sobre feminismo ou questões raciais, por exemplo.

Aquelas três pessoas representam boa parte da população negra e pobre brasileira que não possui tempo disponível para ler grandes textões problematizadores sobre BBB. Na maioria das vezes, infelizmente, essas pessoas não estão familiarizadas a conceitos acadêmicos e jargões de movimentos sociais porque a educação no Brasil ainda não é acessível para todas e todos ou porque essas pessoas estão pensando em outras questões como: desemprego, fome, tiroteio na favela, engarrafamento entre a casa-trabalho, saber se o salário vai conseguir pagar aluguel/contas….

O feminismo do BBB que algumas pessoas estão criticando é raso sim. Ele não abrange com profundidade todas as pautas de todos os feminismos. No entanto, a partir de experiências pessoais dos participantes contando sobre as opressões que vivem, essas pessoas também conseguem se identificar e entender o que está sendo dito, mesmo que não saibam nomear. 

Porque situações de assédio ainda são sim naturalizadas por muitas pessoas, principalmente entre aquelas onde o debate ainda não chegou: as pessoas mais pobres, as pessoas negras,  as que estão morrendo vítimas de feminicídio porque pra ela não chegou a hashtag #MeuRelacionamentoAbusivo. 

Tenho sim várias críticas à Globo e ao Big Brother, não acho que a verdadeira revolução vai acontecer por causa disso ou que a Globo “está nas trincheiras com a gente”. Mas fico feliz por esses debates também estarem acontecendo ali, porque é uma forma de popularização das pautas dos movimentos sociais, uma porta de entrada para muitas pessoas que a partir dali podem buscar mais informações sobre feminismo, racismo ou gordofobia, por exemplo.

Vale lembrar também que não é a primeira vez que esses temas surgem no programa. Em outras edições, pessoas negras, gordas e pobres também já abordavam essas questões mas não foram recebidas positivamente pela audiência.

É preciso entender que as pautas precisam sair do conforto de nossas bolhas e chegar à base que ainda não conseguimos alcançar. As estruturas só são modificadas quando avançamos na coletividade e o que para muita gente pode parecer uma discussão óbvia, para muitas pessoas esses debates nem chegaram ainda.

É até classista/elitista/excludente exigir que as pautas feministas estejam em discussões aprofundadas quando a maioria das mulheres por exemplo ainda naturalizam o assédio por não saberem que aquilo é crime.

Se o seu feminismo branco, cis, normativo não furou a bolha, ele não serve para nada além de massagear seu ego em suas redes sociais. 

Bell Hooks já nos disse “o feminismo é para todo mundo” e eu digo mais: ou ele é a libertação para todas as formas de viver o “ser mulher” ou ele é apenas reformista opressor. 

Nossas lutas ganham muito mais se focarmos nossa energia construindo estratégias para incluir mais mulheres em vez de ficarmos tentando lacrar na internet utilizando palavras difíceis, elitistas e excludentes. Vamos construir pontes e somar? Mulher não é um conceito universal. Somos diversas, complexas e não é estratégico para a luta desmerecer as múltiplas formas de fazer com que a consciência de gênero e de raça, por exemplo, chegue na base. 

Referências:

ASTROLABIO, Laura. A crise, a violência no Rio de Janeiro e a Grande Mídia. In Tem Saída?Ensaios Críticos sobre o Brasil. Orgs : BUENO, Winnie et al. Porto Alegre: Zouk, 2017. 

Mais de um terço dos municípios brasileiros não tem acesso a internet: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-07/mais-de-um-terco-dos-domicilios-brasileiros-nao-tem-acesso-internet

Busca por sororidade aumentam 250% https://emais.estadao.com.br/noticias/tv,bbb-20-buscas-por-sororidade-no-google-sobem-250-apos-fala-de-manu-gavassi,70003193892

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família