Entre 1946 e 1953, aconteceu a conferência de Macy. Nesse congresso, cientistas de diversas áreas, da antropóloga Margaret Mead a neurocientistas como Ralph Waldo Gerard, discutiram em uma equipe multidisciplinar como construir uma linguagem que pudesse ser abrangente e entendida por todes. Acabou daí surgindo a Cibernética. Junto a isso, na matemática, fora agregado a posteriori a álgebra booleana que faz cálculos com possibilidades binária de zeros e uns.

Hoje essa transformação de inputs (teclados, voz, mouse…) interpretação pelo software, leitura, tradução pelas portas lógicas na unidade lógica, e retorno paraonoutput (tela, e saídas de dados no geral), acontece imperceptível, muito rápido mesmo, milissegundos. E tudo começou quando resolvemos nos reunir para falar uma única língua, enfim, podemos apenas com a linguagem de máquina, cujo algarismos são apenas dois 0 e 1, construir mundo infinitos, e uma pluralidade completamente inclusiva e democrática, onde se falam todas as línguas possíveis.

Me pergunto? Por que uma linguagem mais antiga, por exemplo a do abraço, a do respeito, não tem a mesma confiança entre humanos? Nós somos a única espécie que estabelece o preconceito, que evitamos o diferente através de violências, físicas e morais. Há muito tempo atrás aconteceu um levante em prol do respeito, que começou por ume corpe não binárie, a Marsha P Johnson, na Rebelião de Stonewall (1969). Pois nós com nosses corpes também podemos ter muitas possibilidades, a sigla LGBTQIAP+ quer acima de tudo ser reconhecida com a óptica da linguagem universal do afeto, respeito, pois é por isso que lutamos, pelo direito de viver, abraçar e contruir mundos plurais, onde o Amor é o contento final.

Se vocês estão lendo esse texto em uma tala, provavelmente sim, lembre-se que aqui se fala uma linguagem universal com apenas dois números. Então não é difícil respeitar corpos diferentes, orientações diferentes, não é mesmo? Pois nós somos como humanos muito mais complexos do que 0 e 1s. Só que com apenas zeros e uns eu escrevo esse pedido, do binômio, Amor e respeito! Queremos apenas o direito de viver e também aproveitar da pequenas felicidade da vida, de forma tranquila.

Hoje e sempre! Tenha orgulho de ser você! Não somos aberrações, podemos e devemos estar em todos os lugares, inclusive fazendo parte desta linguagem chamada cibernética, com suas possibilidades de mundos. A linguagem é viva e deve mudar, atualizar, assim como rever a gramática de gêneros, os conceitos também se atualizaram, compreenderam a totalidade humana, mas o que queremos mesmo é também participará de forma plena desta vivência do abraços, da vivência do real.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Ivana Bentes

Ponte aérea espacial em meio ao colapso

Juca Ferreira

Cuba Sim! Embargo Não!

Boaventura de Sousa Santos

Desbolsonarizar a democracia, desmorizar a justiça

Juca Ferreira

O Estadão, Bolsonaro e a Conjuntura

Juca Ferreira

As manifestações de rua e a violência

Márcio Santilli

Um manda e outro obedece

Renata Souza

Em briga de marido e mulher, a gente salva a mulher!

Daniel Zen

Fogos de monturo e de coivara

Márcio Santilli

Ministério de Embromação Ambiental

Isabella Queiroz

Étudier est impérieux: estudantes e pesquisadores brasileiros podem perder suas bolsas na França

Morena Meireles

Desinformação no discurso do governo bolsonarista

Márcio Santilli

A responsabilidade pessoal de Braga Netto na crise

Amanda Pellini

O que está em jogo nos jogos digitais?

Colunista NINJA

Empatia e intolerância: do discurso à prática

Márcio Santilli

Arthur Lira, o predador