.

Se não imaginarmos alternativas, não haverá nenhuma

por Jaqueline Fernandes

A população negra, em África e diáspora, tem sido forçada a concentrar-se nas emergências por sobrevivência. A luta por direitos inegociáveis como liberdade, teto, pão, dignidade, cultura, cidadania, saúde física, mental, espiritual e emocional, infelizmente, não é algo novo, sobretudo nas vidas das mulheres negras. Para o desespero de muitos, nossas antepassadas nos deixaram como legado a ousadia de pautar e se articular em torno de muito mais do que apenas sobreviver.

Chegamos até aqui porque as que vieram antes não abriram mão daquilo que parecia inalcançável: construir e ocupar outros lugares, além dos que foram predeterminados pelo patriarcado e pelo racismo colonial sistêmico. Essas utopias, utopias negras, são tecnologias ancestrais, às quais devemos, mais do que nunca, recorrer como possibilidade de direção agora. Sonhar para combater o absurdo.

Conectadas com histórias de resistência que não nos contaram nos livros, aprendemos que a memória é uma disputa constante e avançamos para o futuro, guiadas pelo pássaro Sankofa. Ele olha para a frente, enquanto se move para trás e nos diz: “Se wo were fi na wosankofa a yenkyi – não é tabu voltar para trás e recuperar o que você perdeu”.

Vivendo na prática essa herança filosófica, ancestral e não linear, nos tornamos sementes. E, como afirma o provérbio bantu, a semente é mais velha que a árvore. As utopias de nossas mais velhas nos trouxeram até aqui e nos levarão além.

De 22 a 27 de julho, realizaremos a 13ª edição do Festival Latinidades e, por meio dela, queremos reafirmar que as nossas utopias têm valor e podem mudar o mundo para melhor. Não abriremos mão dos nossos próprios marcos imaginativos, porque já temos um rol de conquistas a partir deles. Utopia para nós é tradição, é fundamento.

Somos um festival multilinguagens, que parte do lugar das artes e da cultura para dialogar, disputar narrativas e fortalecer diferentes saberes de mulheres negras: na academia, na rua, em casa, na escola, no chão de fábrica, na comunicação, nos movimentos sociais, na gestão de políticas públicas…na diversidade infinita das nossas potências e possibilidades de produção de conhecimento.

Somos plataforma de formação, cultura, inovação, impacto social, encontro, encanto, acolhimento, celebração e resistência – em exercício constante de decolonialidade. Queremos compartilhar e conhecer outros sonhos de rebeldia, amor, coragem e transformação. Abrir novas frentes de trocas com outros pares e pautas. Em 2019 saímos de Brasília para São Paulo; falamos sobre “Reintegração de Posse” e acolhemos o debate sobre masculinidades negras. Em 2020 teremos a nossa primeira edição 100% online e queremos ampliar diálogos com as nossas irmãs indígenas.

A pandemia de Covid-19 escancarou as desigualdades que já estruturavam o planeta e abriu espaço para mais distopias. A luta por sobrevivência se complexificou e tem demandado quase tudo de que podemos dispor. Não está nada fácil. Principalmente sabendo que somos alvos. Contudo, não podemos abrir mão de redesenhar o futuro, a partir das nossas próprias óticas, éticas e utopias. As distopias paralisam. As utopias têm o poder de nos impulsionar.

“Mataram o sonhador e não o sonho” – esse mantra estava em um dos cartazes, empunhados no enterro de Martin Luther King Jr. Mas com tudo o que temos para lidar, será que nós ainda conseguimos sonhar?

Às vezes parece que vamos nos afogar em notícias ruins – umas atrás das outras. Sentimentos, imunidades, movimentos e energias oscilam minuto a minuto. Chegamos a pensar que é impossível, ou até perigoso, nutrir esperança. Mas utopias não são o perigo. Perigoso é, justamente, não sonhar. Estamos acostumadas com frases como: “sonhar não paga contas, é ingenuidade, coisa de criança” (e de que crianças estamos falando, afinal?).

A quem interessa a negação das nossas utopias e do nosso direito a projetar o futuro? Por que apenas uma pequena parcela da humanidade está autorizada a isso? Existe um projeto capitalista, genocida, que quer moldar os nossos sonhos, enquanto nos pressiona a optar entre sonhar ou sobreviver. Mas como sobreviver sem sonhar?

25 de julho é o Dia da Mulher Afro Latino Americana e Caribenha. No Brasil esse dia foi instituído por lei, em 2014: Dia Nacional de Tereza de Benguela, fruto de anos de articulações dos movimentos de mulheres negras. Pelo décimo terceiro ano, estaremos, mais uma vez, provocando e sendo provocadas a celebrar o Julho das Pretas, como marco de luta das mulheres negras na diáspora. Nossa história nasce de muitas utopias, herdadas e construídas. Não vamos parar. Vilma Reis já nos alertou: “somos a esperança nos escombros”. Então, na mesma lógica do fique em casa, se puder, por favor, sonhe!

*Jaqueline Fernandes é coordenadora geral do Festival Latinidades

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil