Por Marta Carvalho

Seis e meia da tarde e é fim de expediente.

Nesse Home Office que confunde meu espaço, meu tempo, meu lar, eu ligo a TV, sedenta pra assistir o mais novo filme de Spike Lee (Da Five Blood). Ao final do filme eu caio em um choro profundo, tão cheio de dor e de mágoa por ter a certeza de que a representação de passado, presente e futuro de Spike Lee é atual e se manterá atual por mais algum tempo. Para além do choro, houveram muitos momentos de identificação do racismo e seu corpo mais “sutil” de virótico.

Nos ambientes que se apresentam para criação, ideias, trocas e trabalho, é possível identificar atitudes que atrasam seu desenvolvimento, e atitudes que te trazem dúvidas em relação a sua competência.

Segue o meu exemplo mais doloroso:

Quando criança eu tinha o sonho de ser bailarina clássica e comecei a estudar logo cedo. Sempre que possível a professora justificativa minhas ausências nas apresentações dizendo que eu não tinha figurino e meu cabelo não era adequado pra fazer o coque. Só consegui subir na sapatilha de ponta aos 14 anos.

E eu te pergunto: 
Quantas vezes você, mulher preta e produtora teve que contratar uma pessoa branca para captar seu projeto porque se sentia insegura?

Quantas vezes um superior branco fez doublecheck no seu trabalho, por duvidar da sua competência?

Quantas vezes você teve que dividir protagonismo de sua ideia para que ela pudesse ir para frente?

Quantas vezes você sentiu o “racismo sutil” minando a sua confiança?

O que fica após uma noite de insônia, pensando sobre essa perspectiva, é de que, dos meus trinta anos de profissão, eu perdi uns quinze anos em desenvolvimento, por ser protelada por pessoas brancas.

Força versus Insegurança.

Essa é a balança que guia a vida das Pretas Mulheres em suas profissões.

Atenta, Marta Carvalho

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

transpoetas

Intersexualidade é a prova da diversidade humana

Camarada Gringo

O que o Brasil pode esperar de Joe Biden como presidente?

Colunista NINJA

Um ano depois da explosão social no Chile: o caminho para uma nova constituição política

transpoetas

Afinal de que serve um corpo doente, e uma mente exausta? Dane-se, eu quero mesmo é saber com quais armas eles nos matam

afrolatinas

E Eu Com Isso? Acessibilidade Comunicacional

Márcio Santilli

Bolsonaro contra a vacina? Vacina contra Bolsonaro?

vereadoresquequeremos

#Conheça: Andréa Bak – um baque nas estruturas do Rio de Janeiro

Ana Júlia

A militarização da minha escola

William Filho

Por que a esquerda não abraça a pauta da maconha?

vereadoresquequeremos

#Conheça: Verônica Lima – Sempre na luta por uma sociedade mais justa – Niterói (RJ)

História Oral

A inevitável vitória de Guilherme Boulos

Bancada Feminista do PSOL

Quem é Ricardo Nunes, o vice de Bruno Covas?

História Oral

A velha censura de cara nova

Juca Ferreira

Homenagem aos que lutam em toda a América Latina

afrolatinas

Slam Conexões Femininas: uma homenagem à Dina Di, a eterna rainha do rap