Por Moara Ribeiro*

Eu quero viver o amor dos
Nossos corpos diversos
Pra que o tempo nos espie
Enquanto a gente se percebe

Quero que a gente se olhe
e se reconheça
s e m m e d o
Em cada curva que sou
Em cada cicatriz que carrego

Eu quero tudo e um pouco mais!

Quero levar minha existência política pra dançar
Me olhar no espelho e me enxergar
Pra além da solidão que às vezes grita
Pra além do olhar que não pede liçenca

Eu sei
E repito incansavelmente
Não sou brinquedo, objeto
Fetiche e personagem de imaginação
Não sou “merecedora”
Do estupro corretivo
que me faria menos sapatão!
Não peço liçenca!

Hoje e sempre, meu bem
para que a gente não se esqueça
Sussurro ao pé do seu ouvido

Cada cicatriz sua, eu beijei
Beijaria de novo.

*Moara Ribeiro é cantora, compositora, especialista em comunicação digital.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Laryssa Sampaio

É real: parece que piorou!

Márcio Santilli

Sem água e sem noção

Juca Ferreira

Democracia e Genocídio

XEPA

O Veganismo Popular não comemora o aumento do preço da carne

Ivana Bentes

De novo a barbárie

Colunista NINJA

Privatização da Eletrobrás causará 25% de aumento na energia

Álamo Facó

Cara Haia, carta aberta

Marielle Ramires

Por uma Funai indígena: Fora Marcelo Xavier

Juliana Cardoso

Não podemos mais esperar por programas sérios contra a gravidez na adolescência

Tatiana Barros

Live coding e o mundo do DevRel

Danielle Monteiro

TDAH e as equipes – em homenagem a Carol Dantas 

Isabella Queiroz

18 meses sem a maior Comic Con do mundo: a brasileira

Colunista NINJA

Ancestralidade de jovens da Chapada Diamantina juntam do-in antropológico de Gil à Lei Aldir Blanc

Daniel Zen

A mentira como método de (des)construção política

Bancada Feminista do PSOL

Mês do meio ambiente: é hora de garantir nosso futuro