Por Moara Ribeiro*

Eu quero viver o amor dos
Nossos corpos diversos
Pra que o tempo nos espie
Enquanto a gente se percebe

Quero que a gente se olhe
e se reconheça
s e m m e d o
Em cada curva que sou
Em cada cicatriz que carrego

Eu quero tudo e um pouco mais!

Quero levar minha existência política pra dançar
Me olhar no espelho e me enxergar
Pra além da solidão que às vezes grita
Pra além do olhar que não pede liçenca

Eu sei
E repito incansavelmente
Não sou brinquedo, objeto
Fetiche e personagem de imaginação
Não sou “merecedora”
Do estupro corretivo
que me faria menos sapatão!
Não peço liçenca!

Hoje e sempre, meu bem
para que a gente não se esqueça
Sussurro ao pé do seu ouvido

Cada cicatriz sua, eu beijei
Beijaria de novo.

*Moara Ribeiro é cantora, compositora, especialista em comunicação digital.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

transpoetas

Intersexualidade é a prova da diversidade humana

Camarada Gringo

O que o Brasil pode esperar de Joe Biden como presidente?

Colunista NINJA

Um ano depois da explosão social no Chile: o caminho para uma nova constituição política

transpoetas

Afinal de que serve um corpo doente, e uma mente exausta? Dane-se, eu quero mesmo é saber com quais armas eles nos matam

afrolatinas

E Eu Com Isso? Acessibilidade Comunicacional

vereadoresquequeremos

#Conheça: Andréa Bak – um baque nas estruturas do Rio de Janeiro

Ana Júlia

A militarização da minha escola

William Filho

Por que a esquerda não abraça a pauta da maconha?

vereadoresquequeremos

#Conheça: Verônica Lima – Sempre na luta por uma sociedade mais justa – Niterói (RJ)

vereadoresquequeremos

#Conheça: Walkiria Nictheroy – Por uma cidade que sorri para Todos – Niterói (RJ)

Bancada Feminista do PSOL

Quem é Ricardo Nunes, o vice de Bruno Covas?

História Oral

A velha censura de cara nova

Juca Ferreira

Homenagem aos que lutam em toda a América Latina

afrolatinas

Slam Conexões Femininas: uma homenagem à Dina Di, a eterna rainha do rap

Márcio Santilli

Defesa nacional e mudanças climáticas