Por Moara Ribeiro*

Eu quero viver o amor dos
Nossos corpos diversos
Pra que o tempo nos espie
Enquanto a gente se percebe

Quero que a gente se olhe
e se reconheça
s e m m e d o
Em cada curva que sou
Em cada cicatriz que carrego

Eu quero tudo e um pouco mais!

Quero levar minha existência política pra dançar
Me olhar no espelho e me enxergar
Pra além da solidão que às vezes grita
Pra além do olhar que não pede liçenca

Eu sei
E repito incansavelmente
Não sou brinquedo, objeto
Fetiche e personagem de imaginação
Não sou “merecedora”
Do estupro corretivo
que me faria menos sapatão!
Não peço liçenca!

Hoje e sempre, meu bem
para que a gente não se esqueça
Sussurro ao pé do seu ouvido

Cada cicatriz sua, eu beijei
Beijaria de novo.

*Moara Ribeiro é cantora, compositora, especialista em comunicação digital.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil