Escolha uma Página

A Fundação Nacional do Índio (Funai) vai completar 50 anos em 5 de dezembro. Ou não, pois sua saúde inspira cuidados e o governo acaba de desligar mais um dos aparelhos que ainda a mantém viva.

Foto: Claudia Anduljar / Expedição Yanomami

Foto: Claudia Anduljar / Expedição Yanomami

No último dia 24 de março, foi publicado um decreto que extinguiu de uma só vez 347 cargos comissionados, à guisa de reestruturação. A sangria atinge notadamente departamentos responsáveis pela análise de procedimentos de demarcação de Terra Indígenas (TIs) e de licenciamento ambiental. De acordo com as prescrições adotadas ultimamente para o paciente, podemos dizer que foram cortes cirúrgicos.

Cabe lembrar que a Funai é o órgão indigenista oficial do Estado brasileiro responsável pela elaboração e execução de políticas públicas voltadas para os povos indígenas em nosso país.

Com a promulgação da Constituição Federal em 1988 e a mudança do paradigma integracionista que antes orientava o relacionamento do Estado conosco, várias de suas atribuições foram sendo gradativamente transferidas para outros órgãos. Restou-lhe,sobretudo, a função de iniciar o procedimento demarcatório de TIs. Portanto, é como se tivessem lhe tirado o balão de oxigênio.

Essa agonia não começou ontem: há pelo menos três anos, por exemplo, a instituição tem sido tocada por presidentes interinos; só o governo Temer teve três.

Esta instabilidade já tinha sido motivo de preocupação da relatora especial da ONU sobre os direitos dos povos indígenas, Victoria Tauli-Corpuz, que cobrou no ano passado do governo brasileiro a adoção de medidas que visassem o fortalecimento institucional da Funai. As sistemáticas reduções no orçamento e de pessoal correm na contramão das demandas dos povos indígenas no Brasil. Vislumbra-se a total inviabilidade do Estado em atender suas obrigações legais para a proteção de nossos direitos.

O decreto de reestruturação foi o primeiro ato assinado pelo recém-empossado ministro da Justiça Osmar Serraglio (PMDB-PR), político ligado ao agronegócio e notório defensor da Proposta de Emenda Constitucional 215 – que tem como principal objetivo transferir do poder Executivo para o Legislativo a atribuição de demarcar TIs. Não nos parece exagero afirmar que existe aí um grave conflito de interesses.

Mas, sendo justos, sequer podemos afirmar que a defesa de nossos direitos originários é uma bandeira que a chamada esquerda vinha defendendo com presteza.

Mesmo no governo dito de esquerda, o pouco que se avançou neste particular nos últimos anos se restringiu a ações pontuais, limitadas demais para impactar de verdade as grandes demandas reprimidas dos povos indígenas.

Em alguns casos, foram estipuladas estratégias que não contribuíram em nada para o aperfeiçoamento das políticas em curso; em outros, adotadas no sentido de fragilizar a luta dos povos e do movimento indígena.

A Funai ainda padece de outro mal: práticas que foram incorporadas a partir do terceiro escalão, em que lideranças dissociadas do movimento e das comunidades indígenas estão legitimando políticas e ações do governo, em benefício próprio. Essas ações vêm causando disputas internas que começam a inviabilizar qualquer possibilidade de mudanças macroestruturais da instituição.

Sem dúvida, um duro golpe contra os direitos dos povos indígenas está em trânsito, numa ação coordenada entre Executivo, Legislativo e Judiciário.

Em um país rendido e historicamente subordinado ao agronegócio, os direitos indígenas são reduzidos e usados como moeda de troca na política brasileira.

A Funai precisa de um desfibrilador.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Ivana Bentes

Joesley e Wesley! A cara do capitalismo brasileiro
Ver agora

Colunista NINJA

Multidão toma Brasília por novas eleições e é brutalmente agredida
Ver agora

Cláudio Prado

Chega de ordem e progresso. É hora de amor e Diretas Já!
Ver agora

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: Acabou a Cracolândia!
Ver agora

Clarice Calixto

Sei que é nojento, mas conta meu caso no jornal, por favor?
Ver agora

Renata Mielli

Brasília não foi uma praça de guerra, foi um massacre
Ver agora

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Quando eu falava desses homens sórdidos
Ver agora

Daniel Zen

Caçada contra Lula e as reformas realmente necessárias
Ver agora

Marcelo Freixo

Por que estamos na rua por Diretas Já?
Ver agora

Miguel Jost

De gestor a censor: o 'Cálice' da Virada Cultural derramado por André Sturm
Ver agora

Liana Cirne Lins

A ilegalidade do decreto de garantia da lei e da ordem de Temer
Ver agora

Bernardo Boechat

Dieta é feita pra dar errado
Ver agora

Laio Rocha

Ecos da Cracolândia
Ver agora

Juca Ferreira

Da crise pode surgir um novo Brasil
Ver agora

Amara Moira

Pra que serve um português imexível?
Ver agora