Ativista levanta placa pedindo respostas sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco que completa 1 ano nesta quinta-feira. | Foto: Mídia NINJA

A cultura das milícias que matou Marielle é a mesma da família Bolsonaro. Presos os dois Policiais Militares suspeitos do assassinato de Marielle Franco, dois dias antes do 14/03. O Sargento Ronnie Lessa, apontado como o executor e atirador, mora no mesmo condomínio de luxo da Barra em que mora Jair Bolsonaro. O problema não é esse! Apesar da nefasta coincidência.

A família Bolsonaro não precisa estar envolvida diretamente no assassinato de Marielle Franco para ficarmos escandalizados! Estão envolvidos com a cultura das milícias e dos grupos de extermínios, a cultura dos torturadores, como expressam publicamente e como ficou provado com os milicianos que empregam nos seus gabinetes e prestam homenagem na Alerj. Ou com seus aliados políticos que quebraram a placa em homenagem a Marielle em um ato de vandalismo.

PMs, milícias, e a família presidencial que defende esses valores e o horror da execucão de uma mulher extraordinária e uma vereadora do Brasil. Mais um golpe em Bolsonaro e em tudo que representa.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

Pequenos movimentos sociais de novo tipo

Anielle Franco

Anielle Franco: A luta continua

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Suas ideias continuarão vivas

Dríade Aguiar

Mamãe da Putaria

Ivana Bentes

Ivana Bentes: O que prova a sua morte?

Colunista NINJA

Benedita da Silva: Quem mandou matar Marielle Franco?

Renata Mielli

Renata Mieli: A morte de Marielle Franco, o discurso de ódio e a desinformação

Maria do Rosário

Maria do Rosário: Quem mandou matar Marielle Franco?

Daniel Zen

A Reforma da Previdência de Bolsonaro

NINJA

Banquetaço reúne movimentos sociais e sociedade civil pela volta do Consea

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle

Raull Santiago

Raull Santiago: Um ano

Joana Mortagua

Joana Mortágua: O país que Marielle voltará a pisar

Daniel Zen

Daniel Zen: Julgamento honesto e eficaz para Marielle

Liana Cirne Lins

Discutir porte de armas em meio à tragédia não é palanque; é responsabilidade