A economia brasileira encolheu 0,2% nesse início de 2019. É o primeiro resultado negativo nessa comparação desde o 4° trimestre de 2016.

.

Por Daniel Zen e Fernando Farias Sevá.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE atribui parte dessa queda à tragédia de Brumadinho (MG). Ocorre que a queda de 6% na indústria extrativa (que representa algo entre 2 e 3% do PIB) é um dos menores fatores. Quase todos os demais setores caíram. Tanto a formação bruta de capital fixo – uma medida de investimentos – quanto as exportações tiveram recuos de 1,7% e 1,9%, respectivamente. Isso é grave.

O Boletim Focus desta semana já aponta para uma projeção de crescimento de apenas 1,2% para o PIB esse ano – em contraponto às projeções iniciais de 2,8% – com forte tendência a fechar abaixo de 1,0%, taxa inferior aos 1,1% de 2018.

Gif por Tony de Marco

O Brasil está pagando um preço alto por falta de competitividade de serviços e produtos com valor agregado. Isso decorre, em partes, da falta de investimentos em CT&I e em infra-estrutura, situação que o monotemático governo da reforma da Previdência faz questão de aprofundar na medida em que acelera o desmonte do ensino superior e das políticas de CT&I. No quesito infraestrutura, tem anunciado poucos e insignificantes investimentos.

Adicione-se a tais problemas as declarações desastrosas e posturas erráticas do chanceler e do próprio presidente, que acabam prejudicando a agenda de exportações, como no caso da soja, das carnes “halal” e outros itens. Como resultado parcial disso, temos uma previsão de saldo para a balança comercial na casa de US$ 50 bilhões, ante os US$ 57 bilhões previstos em janeiro. Uma queda de mais de 12%.

No Acre, a situação não é diferente: os dados dos gastos com pessoal constantes no Relatório de Gestão Fiscal (RGF) do primeiro quadrimestre de 2019 apontam para um comprometimento de 48,40%, quando o limite máximo permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é de 49%.

O Acre também lidera o ranking do desemprego nesse início de governo Gladson Cameli (PROGRESSISTAS). Foram 676 novos desempregados de janeiro a abril de 2019. Em contraponto, ao contrário do que pregam os detratores e opositores dos governos do campo progressista e de esquerda da Frente Popular do Acre (FPA), de 1999 até o final de 2018 foram gerados mais de 72 mil empregos formais. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) e da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).

Isso quer dizer que ou o Estado investe na economia – para que sejam gerados empregos no setor privado – ou não vamos dar conta do desemprego, pois há pouca margem para novas contratações e novos concursos no âmbito do serviço público.

Além disso, o RGF acreano demonstrou que, nos últimos anos, a receita corrente líquida (RCL) tem sido crescente e a dívida consolidada líquida (DCL), decrescente. Desmente-se, assim, a ideia de que o atual governo teria herdado uma “herança maldita”.

É verdade que o Estado fez uma parte do dever de casa nesse início de governo GC: há mais de R$ 508 milhões de resultado primário (superávit) no primeiro quadrimestre, decorrente de três fatores: 1) aumento nas receitas do Fundo de Participação dos Estados (FPE); 2) ausência de investimentos públicos; e 3) redução das despesas com custeio e com pessoal. Ocorre que faltou fazer a segunda parte do dever de casa: esses recursos poupados poderiam estar sendo direcionados para investimentos em obras públicas e programas sociais, de modo a fazer circular dinheiro na praça, aquecendo a economia, gerando emprego, distribuindo renda, promovendo a inclusão social e a redução das desigualdades.

Também é fato que há dívidas, parcelas de empréstimos a quitar e o tão famoso déficit do Fundo de Previdência Social (FPS) do Estado, decorrente, em grande parte, do esvaziamento do FPS feito à luz da Lei Estadual n° 1.153/1995. Mas, os dados do RGF demonstram que se tratam de situações normais, sob controle e dentro dos limites da LRF. O nível de comprometimento do orçamento estadual com tais encargos autoriza o Estado tanto a contrair novos empréstimos quanto a suprir a diferença entre a receita e a despesa previdenciária.

Ou seja: a situação fiscal do Estado do Acre é razoável, estamos muito longe da tal “calamidade financeira” que o governador ameaça decretar caso a reforma da Previdência não seja aprovada.

Sendo assim, não há justificativa para reter recursos nos cofres públicos por um período tão longo de tempo. Quando o consumo do governo e os gastos públicos são baixos durante um período muito longo, isso gera desaquecimento da economia, queda na arrecadação de receitas tributárias próprias, desemprego e recessão. E é exatamente isso o que está acontecendo no Acre, neste início de governo Cameli.

É preciso, no Brasil e no Acre, corrigir o rumo das coisas para retomarmos o caminho do crescimento e do desenvolvimento econômico e social, com respeito e valorização da pluralidade, do multiculturalismo e do meio-ambiente. Para isso, é necessário investir em modernização da gestão pública; promover o uso racional dos recursos naturais; e investir em ciência, tecnologia e inovação como condições básicas para a geração de emprego e para o desenvolvimento econômico em nosso país e em nosso estado.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Copa FemiNINJA

Histórias de quem trabalha nos bastidores do futebol

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal