Na semana passada, as eleições presidenciais nos Estados Unidos terminaram com a vitória do democrata Joe Biden e a derrota do patético republicano Donald Trump (já vai tarde!). O resultado acirrado mostrou um país politicamente rachado, polarizado entre conservadores e “progressistas”, entre direita e “esquerda” – tal e qual o Brasil.

Mas um tema uniu as diferentes correntes de pensamento nas urnas: a Cannabis, que foi a grande vencedora das eleições estadunidenses. Enquanto o mundo esperava a demorada contagem dos votos, mais cinco estados norte-americanos legalizaram a maconha: Nova Jersey, Montana, Arizona, Dakota do Sul e Mississipi.

Com o resultado das eleições, agora um terço da população agora vive em jurisdições de estados que legalizaram a maconha para uso adulto e 70% em locais que já regulamentaram o uso medicinal. Além da erva, também foi votada a descriminalização dos cogumelos mágicos, aprovada no distrito de Washington D.C e no Oregon, que se tornou o primeiro estado a legalizar o uso médico regulamentado da psilocibina.

Enquanto isso, por aqui ainda seguimos batendo a cabeça sobre a legalização da maconha mesmo entre dentro da própria esquerda, como mostrou a repercussão do último texto publicado nesta coluna. O texto questionava o porquê de a esquerda brasileira não abraçar a luta antiproibicionista, que engloba tantas outras pautas sociais urgentes ligadas às lutas sociais, como o genocídio da juventude negra, a violência policial, o domínio do capital estrangeiro e por aí vai.

A carapuça serviu e muitos leitores da Mídia Ninja ficaram irados nas redes sociais, rebatendo a coluna com comentários tão conservadores quanto os direitistas. “Porque tem pautas mais urgentes”, “porque já batem na esquerda e não podemos nos associar a maconheiros”, “porque quem fuma maconha financia o crime organizado”. Um papo tão atrasado que nem os gringos, muitos preconceituosos como são, engolem. Confesso que eu fiquei um pouco horrorizado, me sentindo há 10, 15 anos atrás.

Mas também vi que estamos no caminho certo. Precisamos mesmo fazer provocações desse tipo para que as pessoas ditas progressistas enxerguem seus preconceitos e acordem para as lutas que as cercam. Por isso, insisto: as eleições municipais estão chegando e são muitos os (as) candidatos (as) a vereador (a) que apoiam uma política de drogas mais racional e humana. Procure saber quem são os (as) candidatos (as) canábicos (as) da sua cidade e engrosse o caldo.

A luta contra o conservadorismo e o estado policial passa pelo fim da guerra às drogas e o respeito às liberdades individuais.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil