“Eu quero que Niterói sorria para todos porque eu quero que aqui em cima do morro a gente tenha a mesma oportunidade de quem tá lá embaixo, e que a gente reconheça a potência da periferia e deixe as pessoas serem autoras do próprio destino.” – Walkiria Nictheroy entende a importância de fazer uma política que dialogue diretamente com a periferia e com os centros de maneira coletiva, descentralizada, horizontal e que garanta a ampla participação de todas e todos dentro de um processo democrático e participativo. Percebendo a força econômica e cultural que a periferia representa, Walkiria quer aprofundar a sua luta e levar as pautas do povo preto para serem defendidas com contundência na Câmara de Vereadores.

“Tá na hora da gente mostrar que fazer política na favela é muito mais que dar sexta básica, não é só fome que a gente tem, a gente quer cultura, a gente quer esporte, a gente quer atividades de música, dança e que tenhamos outras oportunidades para nossas crianças. Queremos que o morro tenha vida, e vida para além da resistência do sobreviver da penúria de todo dia.”

View this post on Instagram

Esta foto foi tirada do Macquinho, plataforma urbana digital do Morro do Palácio, favela que eu moro desde 2014. Atrás de mim o símbolo da cidade sorriso. A minha frente a favela. Esse é o ponto de observação que hoje nos colocaram nessa cidade que não sorri pra todo mundo. Do alto do morro observamos o 7° IDH mais alto do Brasil sabendo que ele não chega aqui em cima. Observamos os símbolos da cultura da elite niteroiense onde não colocamos os pés. Do lado de cá os 53% de jovens desempregados da cidade. Lá os 30% da população com o ensino superior. Aqui os 55% da população que vive com renda de 0 a 3 salários mínimos. Lá os 14% que vivem com renda de 5 a 15 salários mínimos. É preciso mudar nosso olhar e a forma de fazer política nesta cidade. Queremos olhar Niterói de frente e saber que no alto do morro as crianças vão ter os mesmos direitos que no alto dos prédios. Niterói merece outra política, feita por gente como nós. Que conhece a dor, mas leva a luta com o sorriso no rosto e a firmeza no coração de que é possível transformar essa cidade. Niterói é a cidade sorriso para alguns, chegou a hora de sorrir para todos! . #cidadesorriso #niteroi #niteroirj #macniteroi #educação #educacao #educarcomamor #professoresdobrasil #cidadania #juventude #negritude #favelavive #favelas #curtoniteroi #curtoniterói #mulherpreta #lgbtqia #pcdob #pcdob65

A post shared by Walkíria Nictheroy (@walkirianictheroy) on

Enquanto professora, Walkiria entende a importância de uma educação pública de qualidade que seja libertadora e que promova a redução da desigualdade no Brasil. Foi ainda nos primeiros anos da escola que Walkiria entendeu que ali seria um espaço fundamental para desenvolver uma luta importante por melhores condições de vida, mas foi principalmente no ambiente universitário que ficou evidente que essa luta, para que fosse de fato transformadora, era necessário transcender os espaços de educação e avançar para ocupar os espaços da política institucional.

Seja como agente político ou como educadora, a tarefa revolucionária da candidata é mostrar que as crianças da periferia também são o nosso futuro e merecem, assim como todas, uma vida digna, que garanta uma perspectiva de vida e que entenda, nas suas especificidades, que a luta é tão árdua, quanto necessária, e que a favela é parte fundamental da cidade.

Acesse Pretas e Pretos no Poder e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Marielle Ramires

O Brasil com S é maior que Bolsonaro

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?