“Eu estudei a vida inteira em escolas públicas, e hoje eu sou formada em direito, sou advogada e sou mestra em direito econômico pelo Mackenzie também, graças a uma bolsa da Capes”.

Tamires Sampaio foi a primeira mulher negra a presidir o centro acadêmico da Faculdade de Direito do Mackenzie, foi vice-presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE) e é militante da CONEN. Por meio de políticas públicas, teve acesso à Universidade e moradia digna, e entende a importância destas políticas na vida da população negra e pobre do Brasil. Quer ocupar a política para poder transformar a vida de mais pessoas. Em São Paulo, apenas 2 mulheres negras foram vereadoras, e Tamires busca mudar isso, acredita ser fundamental eleger mulheres, negras e megros, LGBTs e indígenas, juventude e classe trabalhadora e periferia para que as pautas sejam representadas, e as lutas sejam reverberadas com resultados práticos nas leis da cidade

“Eu não aguento mais ouvir que a periferia precisa vir pro centro da cidade. Na verdade, a periferia precisa ser considerada a cidade, mesmo porque a vida de São Paulo, a produção cultural, a criatividade, a energia da nossa cidade, ela está nos bairros da periferia”. 

A candidata sabe que a juventude precisa expressar sua cultura sem ser criminalizada como acontece atualmente, em uma São Paulo que violenta, que segrega, criminaliza e exclui a juventude, negras e negros, mulheres, LGBTs, classe trabalhadora e povos indígenas. 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Tamires Sampaio 13011 (@soutamires.sp) em

Tamires apresenta uma campanha antirracista e de bem-viver para SP, e entende a saúde, por exemplo, como algo bem mais amplo que somente hospitais, mas moradia digna, saneamento básico, água encanada, alimentação saudável, estimulando a criação de hortas comunitárias. Defende também a educação, porque entende que é um instrumento de transformação social,  de garantir oportunidades, especialmente para juventudes negras da periferia, e para isso foca na valorização de professores, da educação pública e garantir que sejam implementadas as leis que torna obrigatório o ensino da história afro-brasileira e indígenas nas escolas.

A soma de suas propostas visa construir uma cidade antirracista e com bem-viver, uma cidade de São Paulo para todas, todos e todes.

Acesse Pretas e Pretos no Poder e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil