Capoeirista, professora de educação física da rede estadual e musicista, Tallia Sobral é candidata a vereadora em Juiz de Fora e traz um novo olhar sobre a cidade. Foi através dessa expressão cultural que pode entender melhor nossa história e as formas de resistência. Como parte da União Cultural da Capoeira dá aulas há 15 anos em projetos e espaços culturais. É também integrante do coletivo “De Dandara às Marias”, construído por mulheres capoeiristas da Zona da Mata Mineira.

“É a capoeira que coloca meus pés no chão e ao mesmo tempo me permite sonhar e projetar uma sociedade diferente, mais justa e igualitária.”

Sua trajetória é marcada pela luta, foi militante do D.A. da Faefid/UFJF, do PSTU, Movimento Mulheres em Luta, vice presidente da SIPA da AMAC e diretora da Subsede do SindUTE / JF. Atualmente é militante da Resistência e do PSOL e faz parte da Resistência Feminista e do coletivo Salto!. Trabalhou em projetos sociais, na assistência social com “Curumins”, e na rede municipal de ensino antes de lecionar nas quadras do Benfica na Zona Norte de Juiz de Fora. Sempre conectada com a periferia e atuando junto às pessoas mais carentes da cidade.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Tallia Sobral 50000 (@tallia_sobral) em

Tallia não chega só e já experimenta coletivamente há mais de uma década o pensar a cidade de forma plural. Na luta contra as opressões reforça que está ao lado da maioria da sociedade composta por mulheres, negras e negros, indígenas e LGBTQIAP+. Como Bi, sente na pele o preconceito e de seu lugar de privilégio entende que é preciso somar forças às lutas de quem é marginalizado e excluído socialmente. “Nossa existência vem sendo ferida, reprimida e anulada. Lutar contra as opressões é lutar por nossa vida e o direito de existir.” Vegana, mãe de três cachorros e amante das plantas, percebe nos pequenos detalhes da vida, na simplicidade das ações, revoluções gigantescas a serem encampadas.

“A partir da nossa realidade concreta, precisamos pensar as nossas pautas, defender uma expansão pública, gratuita e de qualidade. Precisamos defender a cultura de uma forma ampla, que a periferia seja o centro.”

Acesse a Campanha de Mulher e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Filipe Saboia

Recapitulando

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil