Cria da Praça Seca na comunidade do Loteamento, Zona Oeste do Rio de Janeiro, Tainá de Paula é candidata a vereadora e traz consigo todo o acúmulo de lutas e a trajetória social no chão da favela. Mulher preta, mãe, arquiteta, urbanista e ativista das lutas urbanas, atuou em diversos projetos urbanos na Rocinha, Cantagalo, Pavão-Pavãozinho, Rio das Pedras e na favela da Hípica em Niterói. Participou da coordenação do Plano de Habitação do Rio e contribuiu para o PAC das Favelas Manguinhos e Jacarezinho.

Com o nascimento da filha Aurora, passou a fazer o que milhares de mães fazem diariamente: conciliar a maternidade com as atividades profissionais e de militância junto a lideranças populares e políticas. Com a pandemia teve de remodelar todo o planejamento de campanha, que estava sendo sonhada coletivamente desde sua última candidatura. Foi aí que Tainá percebeu a importância de seu trabalho junto à comunidade na produção de conteúdo e conhecimento sobre estes tempos complicados de Covid.

“Quem é que tá sofrendo com arroz de 40 reais? Quem é que tá sofrendo com o preço da passagem, o preço do pão, o preço do leite? Não dá mais pra gente passar procuração pra quem não passa na pele o que a maioria da população tá passando. Quem é que tá morrendo de Covid, quais são e quem são os representantes da população mais vulnerável hoje?”

O incômodo compartilhado com a maioria da população, trabalhadora e de periferia, dá razão ao pensamento de Tainá, que vê nas dificuldades de parto, acesso a creche e principalmente em relação ao orçamento público, questões que devem ser debatidas por toda a população e não apenas pelos ‘detentores do poder’. O poder de decidir como serão investidos os recursos, como a cidade será gerenciada e quais são as principais necessidades da gente deve partir de quem entende no dia a dia, em seu contexto social, quais são essas prioridades.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Tainá de Paula 13777 (@tainadepaularj) em


Quando jovem Tainá revela que não pensava sobre política. Foi então que percebeu que precisava fazer parte dos processos de transformação. Entrou para a Pastoral de Favelas bem cedo e foi a partir da igreja e da identificação das demandas locais, das reivindicações que passam pela favela e pelo debate sobre moradia, que seus impulsos sociais e políticos foram se intensificando.

A candidata carioca conta que seus próximos passos na política foram responsáveis por sua tomada de decisões. A partir de 2013 se juntou aos milhões que ocuparam as ruas e as instâncias do poder e se entregou de corpo e alma no movimento de mulheres organizadas. O desencantamento da população com as mesmas figuras e os mesmos personagens na política acenderam a luz: as mulheres pretas, mães, de favela, precisam de representação. O que fica ainda mais evidente com a morte de Marielle Franco que virou semente e inspira milhares de candidaturas.

“Não vejo como a gente vai reestabelecer o retrocesso, onde mulheres não estejam inseridas nesse debate amplo da política, na construção ampla da agenda de país. Quero ter a tranquilidade de ser da geração que reconstruiu, a partir da perspectiva das mulheres, com chão na periferia, com chão na negritude. Pra mim isso é inegociável.”

Acesse Pretas e Pretos no Poder e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Mariane Santana

A volta do ABBA e o futuro (presente) dos shows

Agatha Íris

Quem defende as crianças que são vítimas de abuso e estupro de vulnerável?

NINJA Esporte Clube

Pretos na Biblioteca: projeto idealizado por Gabizona do vôlei busca combater o racismo através da educação

NINJA Esporte Clube

A’ja Wilson: uma voz potente e necessária

NINJA Esporte Clube

Ginasta Luis Porto foca na preparação para próximas competições, após corte inesperado do Mundial 2021

Flávio Renegado

Vinte e Três Minutos… 

Márcio Santilli

Direita rachada

Talles Lopes

Morro do Fogo: fé e luta quilombola

Bancada Feminista do PSOL

Sampaprev 2: um ataque a quem esteve na linha de frente contra a Covid

Lais Gomes

Me deixa reclamar!

Andréia de Jesus

Indígenas latinos são transformados sistematicamente em imigrantes por mais de 500 anos!

Laryssa Sampaio

O Peso do Pássaro Morto: perdas, reencontros, encontros e fim

Andréia de Jesus

Zema expressa todo seu preconceito social

Laryssa Sampaio

Pelo direito de pensar e decidir se queremos ou não ser mães

Márcio Santilli

Nem autogolpe e nem impeachment