Cria da Praça Seca na comunidade do Loteamento, Zona Oeste do Rio de Janeiro, Tainá de Paula é candidata a vereadora e traz consigo todo o acúmulo de lutas e a trajetória social no chão da favela. Mulher preta, mãe, arquiteta, urbanista e ativista das lutas urbanas, atuou em diversos projetos urbanos na Rocinha, Cantagalo, Pavão-Pavãozinho, Rio das Pedras e na favela da Hípica em Niterói. Participou da coordenação do Plano de Habitação do Rio e contribuiu para o PAC das Favelas Manguinhos e Jacarezinho.

Com o nascimento da filha Aurora, passou a fazer o que milhares de mães fazem diariamente: conciliar a maternidade com as atividades profissionais e de militância junto a lideranças populares e políticas. Com a pandemia teve de remodelar todo o planejamento de campanha, que estava sendo sonhada coletivamente desde sua última candidatura. Foi aí que Tainá percebeu a importância de seu trabalho junto à comunidade na produção de conteúdo e conhecimento sobre estes tempos complicados de Covid.

“Quem é que tá sofrendo com arroz de 40 reais? Quem é que tá sofrendo com o preço da passagem, o preço do pão, o preço do leite? Não dá mais pra gente passar procuração pra quem não passa na pele o que a maioria da população tá passando. Quem é que tá morrendo de Covid, quais são e quem são os representantes da população mais vulnerável hoje?”

O incômodo compartilhado com a maioria da população, trabalhadora e de periferia, dá razão ao pensamento de Tainá, que vê nas dificuldades de parto, acesso a creche e principalmente em relação ao orçamento público, questões que devem ser debatidas por toda a população e não apenas pelos ‘detentores do poder’. O poder de decidir como serão investidos os recursos, como a cidade será gerenciada e quais são as principais necessidades da gente deve partir de quem entende no dia a dia, em seu contexto social, quais são essas prioridades.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Tainá de Paula 13777 (@tainadepaularj) em


Quando jovem Tainá revela que não pensava sobre política. Foi então que percebeu que precisava fazer parte dos processos de transformação. Entrou para a Pastoral de Favelas bem cedo e foi a partir da igreja e da identificação das demandas locais, das reivindicações que passam pela favela e pelo debate sobre moradia, que seus impulsos sociais e políticos foram se intensificando.

A candidata carioca conta que seus próximos passos na política foram responsáveis por sua tomada de decisões. A partir de 2013 se juntou aos milhões que ocuparam as ruas e as instâncias do poder e se entregou de corpo e alma no movimento de mulheres organizadas. O desencantamento da população com as mesmas figuras e os mesmos personagens na política acenderam a luz: as mulheres pretas, mães, de favela, precisam de representação. O que fica ainda mais evidente com a morte de Marielle Franco que virou semente e inspira milhares de candidaturas.

“Não vejo como a gente vai reestabelecer o retrocesso, onde mulheres não estejam inseridas nesse debate amplo da política, na construção ampla da agenda de país. Quero ter a tranquilidade de ser da geração que reconstruiu, a partir da perspectiva das mulheres, com chão na periferia, com chão na negritude. Pra mim isso é inegociável.”

Acesse Pretas e Pretos no Poder e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?