Com uma história ligada à cidade e sua gente Major Denice cresceu e construiu carreira pelos bairros de Salvador. Nascida na periferia e estudante de escola pública a vida toda, traz demarcada em si todas as desigualdades sociais que sofreu e que ainda presencia. Depois da trajetória na segurança pública decidiu se candidatar e pode ser a primeira prefeita negra da cidade. A reparação histórica necessária na primeira capital do Brasil e a cidade mais negra do país, 8 a cada 10 habitantes de acordo com o IBGE.

Entre as vivências  que acumula está a de um garoto, uma criança que a seguiu durante uma carreata e carregava o sonho de ver Salvador como a Major, sem racismo, sem preconceito e pensada da periferia ao centro. 

“Por isso, transformo esse sonho em projeto, de fazer essa cidade melhor. Eu vivi o que essa cidade tem de pior, por causa disso eu me valido e me coloco nesse lugar. De estar pra ser esse objeto de mudança, essa representante dos sonhos.”

Enquanto a realidade é de desemprego em massa, postos de saúde sem médico, baixíssima atenção básica e uma cidade que não pensa na saúde das pessoas, sonhar se faz necessário. Concretizando esses sonhos em uma cidade que se preocupa com o seu futuro. Pensando ainda na cultura e na preservação de seu patrimônio.

“Eu aprendi com o Ilê Aye, que o poder é necessário para as transformações. E se somos nós, o povo preto, que estamos num lugar de maior vulnerabilidade no exercício e na necessidade dessas transformações, somos nós que precisamos estar nesses lugares.”

Aos 18 anos passou no concurso público para a Polícia Militar, o que a impediu de estar filiada, mas nunca de fazer política. Como soldado da primeira turma de mulheres, tem o compromisso de humanizar as forças de segurança em Salvador. Levando para a corporação uma cultura de cuidado e proteção, desde a formação. Defende ainda a ampliação das Rondas Maria da Penha e o fim do racismo religioso. 

Entre suas propostas está reduzir impostos e acelerar alvarás para criar novos vetores de desenvolvimento na cidade, fortalecer os serviços da Rede de Serviços Socioassistenciais e da Rede de Atenção Psicossocial e criar zonas de incentivos fiscais para revitalizar bairros, em parceria com a iniciativa privada e o Governo do Estado, como Calçada, Subúrbio e Península de Itapagipe. Sobre a pandemia, já tem um time pronto para encarar o próximo ano na prefeitura integrando a Atenção Básica, Vigilância epidemiológica e Vigilância à Saúde do Trabalhador, para ações de cuidado, prevenção da doença e promoção da saúde, além da Central de Operação de Emergência, formação e capacitação de profissionais da saúde.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Tatiana Barros

AutorAS de ficção científica no Brasil? Temos sim!

Morena Meireles

Boas vindas de uma UX Designer

História Oral

Censura e perseguição contra Educadores

Ivana Bentes

Karol Conká não é Odete Roitman

transpoetas

Caminhadas marginais: 20 de fevereiro e a luta de corpos transmasculinos

Mariane Santana

Um papo descomplicado sobre algoritmos de redes sociais

Aline Calamara

Um corpo para consumo nas redes

Bruno Ramos

Salvador da Rima, a truculência da PM e os desafios do Funk

Álamo Facó

A fundação do Rio e o início do fim

Renata Souza

Epidemia de feminicídios: as mulheres querem viver, não sobreviver!

Renata Frade

Inclusão e diversidade em Tecnologia da Informação desde a infância

Amanda Pellini

5 maneiras de resgatar um idoso do abandono nas novas tecnologias.

Márcio Santilli

Titulação de quilombos repara injustiças e reconstrói relações

Daniele Apone

Que tal a gente desaglomerar de vez?

Márcio Santilli

Com as próprias mãos: reflorestando a Asa Norte