Com uma história ligada à cidade e sua gente Major Denice cresceu e construiu carreira pelos bairros de Salvador. Nascida na periferia e estudante de escola pública a vida toda, traz demarcada em si todas as desigualdades sociais que sofreu e que ainda presencia. Depois da trajetória na segurança pública decidiu se candidatar e pode ser a primeira prefeita negra da cidade. A reparação histórica necessária na primeira capital do Brasil e a cidade mais negra do país, 8 a cada 10 habitantes de acordo com o IBGE.

Entre as vivências  que acumula está a de um garoto, uma criança que a seguiu durante uma carreata e carregava o sonho de ver Salvador como a Major, sem racismo, sem preconceito e pensada da periferia ao centro. 

“Por isso, transformo esse sonho em projeto, de fazer essa cidade melhor. Eu vivi o que essa cidade tem de pior, por causa disso eu me valido e me coloco nesse lugar. De estar pra ser esse objeto de mudança, essa representante dos sonhos.”

Enquanto a realidade é de desemprego em massa, postos de saúde sem médico, baixíssima atenção básica e uma cidade que não pensa na saúde das pessoas, sonhar se faz necessário. Concretizando esses sonhos em uma cidade que se preocupa com o seu futuro. Pensando ainda na cultura e na preservação de seu patrimônio.

“Eu aprendi com o Ilê Aye, que o poder é necessário para as transformações. E se somos nós, o povo preto, que estamos num lugar de maior vulnerabilidade no exercício e na necessidade dessas transformações, somos nós que precisamos estar nesses lugares.”

Aos 18 anos passou no concurso público para a Polícia Militar, o que a impediu de estar filiada, mas nunca de fazer política. Como soldado da primeira turma de mulheres, tem o compromisso de humanizar as forças de segurança em Salvador. Levando para a corporação uma cultura de cuidado e proteção, desde a formação. Defende ainda a ampliação das Rondas Maria da Penha e o fim do racismo religioso. 

Entre suas propostas está reduzir impostos e acelerar alvarás para criar novos vetores de desenvolvimento na cidade, fortalecer os serviços da Rede de Serviços Socioassistenciais e da Rede de Atenção Psicossocial e criar zonas de incentivos fiscais para revitalizar bairros, em parceria com a iniciativa privada e o Governo do Estado, como Calçada, Subúrbio e Península de Itapagipe. Sobre a pandemia, já tem um time pronto para encarar o próximo ano na prefeitura integrando a Atenção Básica, Vigilância epidemiológica e Vigilância à Saúde do Trabalhador, para ações de cuidado, prevenção da doença e promoção da saúde, além da Central de Operação de Emergência, formação e capacitação de profissionais da saúde.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?