O veganismo popular e a causa animal são temas conectados ao meio ambiente, à saúde coletiva, ao bem estar social, ao nosso cotidiano. KazVeg, candidata a vereadora em São Paulo sabe bem disso e faz da política não discurso, mas meio de vida. Ativista fundadora da Nação Vegana Brasil, tem uma visão que vem da periferia, fugindo do elitismo. A mudança dos hábitos que começa na alimentação e na consciência antiespecista é um ato humanitário, de respeito e sobretudo de liberdade. E é preciso ocupar a política institucional e espaços de poder para se posicionar e difundir estas sabedorias.

“Se nós não nos posicionarmos, seremos cada vez mais violentados e violentadas. A política é essencial pra nossa sobrevivência. É luta pura, porque sem a política partidária a gente não consegue interceder na nossa realidade.”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por KAZVEG 40.022 (@kazveg) em

O momento é dos piores para o meio ambiente em terras brasileiras. Com ataques ambientais ocorrendo e afetando a vida de comunidades em seus territórios e Estados vizinhos, indígenas lutando por existência e sobrevivência nas cidades e áreas verdes nas metrópoles sendo sufocadas pelo asfalto e o concreto, o ativismo ambiental se torna urgente, item essencial.

“A partir do momento em que a minha voz e a voz de muitas pessoas que defendem o meio ambiente e os animais, as pessoas que sofrem opressões. As nossas vozes passaram a ser omitidas, negligenciadas, abafadas, aí que a gente vê a necessidade de ir muito além do que a gente já fazia como ativismo de rua.”

É hora de ocupar espaços públicos de poder, de decisão, espaços legislativos e executivos. Com engajamento, intervenção e ação sobre o foco dos problemas que repercutem na vida das pessoa. Transformando a realidade que até então representa opressão, numa realidade que garanta a dignidade, respeito e qualidade de vida.

“Essa é a urgência que a gente precisa trazer às pessoas, pra que elas se engajem, se envolvam e participem da construção de políticas públicas em benefício delas. Da coletividade, da sua comunidade e da cidade de São Paulo como um todo. Em conexão, essa transformação deve ser em conexão. Pessoas de todas as regiões com diferentes bandeiras, interseccionando as lutas e garantindo que cada voz seja ouvida e seja ecoada.”

Acesse Vereadores Que Queremos e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas

William Filho

Multar usuários é legalizar a propina