“A forma de eu me manter vivo, a forma de eu afirmar o meu orgulho e a forma de eu afirmar a minha identidade e de tantas outras pessoas não passava por outro caminho que não a luta social, que não a militância.” – Guilherme Cortez tem 22 anos de idade, está no último ano do curso de Direito na UNESP, é professor de cursinhos pré-vestibulares, estagiário e está candidato à vereador em Franca.

Desde o ensino médio, vem se envolvendo com a ideia da política. Não essa política “tradicional e atrasada” como define o candidato, mas com a política da coletividade, dos movimentos e das lutas sociais. Esteve nas ruas em junho de 2013, participou das ocupações de escola em São Paulo, foi representante estudantil, coordenador de centro acadêmico e viajou pelo país construindo a luta em defesa do ensino público, de qualidade e para todos. Ajudou também a organizar as manifestações contra a reforma da Previdência, as queimadas na Amazônia, os cortes de investimento na educação e a violência contra a comunidade LGBT no município.

“Franca é uma cidade extremamente intolerante, Franca é uma cidade violenta, Franca é uma das cidades do estado de São Paulo que mais registra casos de violência contra a mulher, eu próprio já fui vítima de um ato de violência homofóbica e isso é uma realidade que é compartilhada por todas as LGBT’s da nossa cidade.”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Guilherme Cortez 50000 (@guilhermecortez50000) em


Guilherme decidiu disponibilizar seu nome para disputar uma vaga na Câmara de Vereadores, principalmente, porque a pandemia de covid-19 mostrou o quanto é necessário ter pessoas comprometidas com a população dentro dos nossos espaços políticos. O candidato sublinha que: “Sem uma administração responsável e dominada por políticos demagógicos, Franca perdeu todo o tempo ganho no combate ao coronavírus no começo da pandemia e se tornou um dos epicentros da doença no estado de São Paulo”, pois é garantindo mais políticas públicas que é possível reduzir a desigualdade na cidade.

Cortez não defende um projeto pessoal ou acha que é possível resolver tantos problemas sozinho, mas propõe representar um contraponto dentro da nossa Câmara e dar voz para as pautas que sempre foram negligenciadas.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil