O eleitorado de Salvador vai experimentar uma nova forma de votar este ano. Além dos candidatos solo, o Partido dos Trabalhadores lançou a Bancada de Todas as Lutas, que reúne oito candidaturas de diferentes bairros da capital baiana. A foto na urna será da drag queen e ativista LGBTQI+ Petra Peron que vem acompanhada da enfermeira e agente comunitária Nina Fernandes, a também enfermeira e doula Chenia D’Anunciação, os militantes das lutas antirracistas Jamerson Silva e Raimundo Bujão, a pesquisadora, cantora e jovem trans Yuna Vitória, o músico e educador Sidney Argolo e a contadora, especialista em gestão pública e evangélica há 24 anos Elisabete Pereira.

A candidatura coletiva foi lançada para uma plateia virtual de quase 300 pessoas que conheceram as trajetórias de cada uma das integrantes, que se confundem com a história de Salvador, principalmente a das periferias.

View this post on Instagram

Viva São Cosme e Damião!

A post shared by P E T R A da Bancada (@petradabancada) on

Petra iniciou sua trajetória política no Movimento Estudantil. no Centro Acadêmico de História e em seguida no DCE da UFBa. Artivista, midiativista, militante dos Direitos Humanos e do Movimento LBTQIA+. Já foi secretário da juventude da Associação Brasileira ABGLT e representante LBTQIA+ no Conselho Nacional de Juventude. É membro do PT há 13 anos, sendo um dos articuladores do Fórum LBTQIA+ da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA). Hoje atua na Ong Beco das Cores, no Conselho Estadual LBTQIA+ da Bahia e Secretária do PT do Estado.

Jamerson é pai, bacharel em Comunicação Social, militante do Movimento Negro, educador e produtor cultural, produzindo eventos há mais de 15 anos com música, audiovisual, teatro e formação para profissionais da cadeia produtiva da cultura na Bahia e no Brasil. É morador do bairro de Cajazeiras, sempre destacando sua origem e pautando a ideia de marginalização dos bairros periféricos. Idealizador da cada de shows Jam Music&Bar, colocou o bairro no circuito cultural da cidade, recebendo artistas nacionais e internacionais.

Yuna é mulher trans, acadêmica de Direito na UFBa, artista, ativista, deficiente visual e mãe de um bebê de 9 anos. A criação é fruto de uma gestação paterna inédita no Estado e levou a estudante ao ativismo nos espaços de saúde, em parceria com a Defensoria e o Ministério públicos e sua aproximação com o Direito Médico, área para a qual se dedica e publica artigos científicos. Une sua verve política, de defesa das comunidades trans, LBTQIA+ e Direitos Humanos, à força da música e da poesia. Participou do Coletivo A Tu Ar, composto por artistas de rua, participando ainda do projeto ‘Poesia no Buzu’.

Chenia é feminista negra, mãe e militante dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres. Entusiasa do parto humanizado, é enfermeira por formação e atua profissionalmente na assistência não farmacológica como Doula. Iniciou sua trajetória por acreditar no protagonismo da mulher no processo da gestação e nascimento. Servidora da Uneb, integra o Coletivo de Doulas Pretas e o Coletivo Lumiar de formação de doulas.

Raimundo é Itapuãzeiro, bacharel em filosofia e ativista pelo PT desde 1981. Foi um dos fundadores do Movimento Negro Unificado (MNU) em 1978 e do Bloco Afro Malê Debalê em 79. Participou da campanha Abaeté Abaeterna e ajudou a criar a Associação de Moradores do Itapuã (AMI). Integra a Bancada do Feijão, que lançou no ano passado o movimento “Eu Quero Ela”, em defesa de uma candidatura negra para a Prefeitura de Salvador.

View this post on Instagram

Hoje foi dia de solidariedade. #doesangue #salve4vidas

A post shared by Ninaiara Fernandes (@ninaiarafernandes) on

Nina é do bairro da Federação, enfermeira e empreendedora também tem especialização em matemática. Há três anos é Agente Comunitária de Saúde no Alto de Ondina, onde atende crianças, gestantes, famílias, idosos e pessoas com doenças crônica. Mulher preta, preocupada com as pautas feministas, antiracistas e representatividade.

View this post on Instagram

#repost @bancadadetodasaslutas @repost.user Uma cidade, várias vozes, sonhos e encantos. A cidade cresce e com ela as lutas também. Mas a cidade só vence as batalhas do dia-a-dia, curas suas doenças e resolve problemas, quando o trabalho é realizado de forma coletiva. A Bancada de Todas as Lutas é o ponto de partida para um novo tempo de justiça para a nossa Salvador. 8 vozes por toda cidade, ecoando a diversidade, multicoloridas, sorrindo, cuidando de todes numa aliança cultural de bem viver. Estamos aqui e convidamos você para conhecer de perto e abraçar o nosso projeto de cidade que sonhamos fazer acontecer. Somos a Bancada de Todas as Lutas, somos Petra da Bancada 13110! Assista vídeo completo em nosso canal do YouTube. Link na BIO. Produção @itsbarnei Maquiagem @morticialima Interpretação em Libras @alon.mauricio #petradabancada #13110 #bancadadetodasaslutas #coletivo #sonhar #Salvador #vereadores #facismonão #racismonão #pt

A post shared by Sidney Argolo Silva (@sidneyargolo) on

Sidney é filho de Dona Elza, costureira, lavadeira e cozinheira e de Seu Manoel Alves, comerciante de frutas e criador de animais. Cresceu no bairro da Santa Cruz numa família de nove irmãos. Acordava de madrugada para vender jornal, picolé, lavar carros e ajudar no sustento de casa. Além de estudar, indo na contramão da realidade da violência local. Pai, tem três filhos adolescentes, músicos que formam o Grupo Étnico Cultural da Bahia e Orquestra Olorim. É alabê, artista, educador, defensor dos Direitos Humanos, da cultura e das religiões de matriz africana. Desenvolve projetos sociais na comunidade do bairro da Paz e por toda Salvador.

Elisabete é moradora do bairro do Pau Miúdo, casada e mãe de duas meninas. Descrobriu-se como mulher preta após a maternidade, quando ainda na UTI Neonatal, viu e ouviu suas filhas gêmeas serem vítimas de racismo. Foi o marco do seu despertar para os estudos e a ação militantes, por equidade de gênero, raça e políticas públicas de bem-estar social. É contadora, especialista em gestão pública e servidora. Além disso é evangélica e professa a fé há mais de 24 anos.

SIGA NAS REDES:

Instagram: @bancadadetodasaslutas
Twitter: @bancadadaslutas
Facebook: @bancadadetodasaslutas

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil