“A grande maioria das mulheres não são amparadas de forma digna. E aí percebemos que vários tipos de violência ocorrem contra nós e ao me dar conta disso, descobri que as mulheres não estão representadas na política.”

Awdrey Kokol é mãe de dois filhos, professora, advogada há 10 anos, dona do canal “Eita, o café esfriou” e é candidata à vereadora em Americana. Atuando em diversas frentes do direito comercial, trabalhista e cível, tendo se dedicado às causas familiares e que envolvem mulheres vítimas de violência doméstica, Awdrey foi compreendendo cada vez mais a importância de construir uma cidade inclusiva e menos desigual, que priorize o cuidado com pessoas que estão em condições de maior vulnerabilidade.

Ser mãe e ser mulher é um ato político, gerar e parir, amamentar, educar, instruir e cuidar são direitos que precisam de políticas públicas e as decisões políticas são tomadas para nós sem ouvir a nossa voz, sem dar a oportunidade para que a gente possa falar o que a gente precisa e o que a gente quer.”

Awdrey acredita na necessidade de avançar na conquista de direitos para as mulheres do nascimento á terceira idade, de fortalecer políticas públicas para a preservação do meio ambiente e, principalmente, diante da sua experiência com a mãe de uma criança diagnosticada com o transtorno de espectro autista, entende a importância da participação e da inclusão: “Como muitos pais não sabíamos nada como tínhamos que lidar com isso, se ser mãe já muda a vida da gente, imagina quando a gente descobre que nossos filhos estão fora dos padrões da sociedade.”. Isso foi um ponto determinante para aprofundar ainda mais o entendimento da candidata sobre a importância de cuidar da diversidade.

Entendendo que é importante construir um projeto juntos, ouvindo as demandas de todas as classes, raças, gêneros e faixa etária, tendo respeito e empatia e fomentando um mandato popular e representativo.

Acesse Campanha de Mulher e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?