.

A Argentina neste momento requer uma análise sobre os resultados dos planos de ajuste econômicos neoliberais do governo Maurício Macri iniciado em 2016. Em linhas gerais significaram concentração de renda e redução das condições de vida da massa trabalhadora. Historicamente o país desempenhava a liderança no Índice de Desenvolvimento Humano, auferido pela ONU, na América do Sul.

Invertendo as políticas empreendidas por Nestor e Cristina Kirchner, Macri alinhou sua gestão com a dolarização no âmbito cambial e busca do superavit no fiscal. Este paradigma resultou em recessão, diminuição dos salários e elevação da concentração de renda. O resultado foi um hiato entre a classe trabalhadora e os endinheirados.

A indexação com a moeda estadunidense subiu o patamar de preços dos produtos bem como das tarifas públicas e privadas; energia, transporte e comunicação passaram para o setor privado, e o aumento da rentabilidade exigida pelos conglomerados estrangeiros tensionou muito o orçamento das famílias. Desta forma, as receitas das companhias passaram a ser dolarizadas enquanto os salários em pesos perderam para uma inflação anual de 35%. As correções permitidas pelo governo para salários e aposentadorias tinha um teto de 15%,quando não zeravam com desemprego crescente.

Uma das maneiras de atrair o capital financeiro internacional foi aprovar leis de proteção e livre circulação. A rentabilidade era ainda impulsionada por fortes incentivos. O ambicioso programa não apenas desestatizou o país mas também desnacionalizou. Os grupos locais que levaram séculos para se formar ficaram sem capacidade de competição frente as multinacionais, entraram num processo de perdas desindustrializando o país. Muitos passaram a ser meros distribuidores de manufaturados chineses, estadunidenses e europeus.

Diante deste contexto de um setor produtivo sem condições de gerar divisas por falta de apoio e incentivos,o governo escolheu a recessão como forma de diminuir demandas que desequilibravam as contas externas.

Medidas de contração da atividade econômica via redução de crédito ou aumento de juros básico aos 42%, foram conjugadas por medidas fiscais de aumento de impostos, além da subida do dólar que comprimia ainda mais a renda. Esta situação mostrou um alto custo de produzir golpeando o consumo e emprego. O plano recessivo se realimenta para um piso mais baixo do precipício, entre abril e maio, na eminência de não honrar seus compromissos,o dólar disparou asfixiando ainda mais o governo, trazendo de volta depois de décadas o FMI.

Estes capítulos elevaram a concentração, a medida que os endinheirados que tem acesso ao dólar via exportações, obtiveram ganhos com especulação cambial e posteriormente com a alta do juros quando o governo passou utilizar como forma de conter a moeda estrangeira. Enquanto o capital crescia com o dólar a 30 pesos e juros a 45%, os salários e aposentadorias tinha reajuste abaixo da inflação. O país perdeu a independência produtiva, a população ,o emprego e o país, a soberania com uma co-gestão com o Fundo.

A sua cartilha passa determinar que os reajustes para 2019 que sejam de apenas 8% para mensalistas, com uma previsão ‘otimista ‘ inflacionária de 17%, significa que a desvalorização do total de salários deve vir de uma menor reajuste ou literalmente de demissões. O segundo elemento é a exigência de liquidar o ‘Fundo de Garantia de Sustentabilidade de Anses’ que na verdade é a principal fonte de recursos para cadeia produtiva, montante formado por anos de contribuição dos trabalhadores,empresas e pensionistas. Na prática é encerrar o crédito e apoio as empresas argentinas, que poderiam gerar produção e emprego ,portanto aportando mais valores ao fundo. Os recursos auferidos com encerramento, deveriam segundo o FMI, quitar credores e reduzir o déficit público.

A terceira questão refere-se a exigência do FMI em mudar a ‘ Carta Orgânica do Banco Central’. Esta medida visa impedir que o BC empreste valores ao executivo para pagar salários, hospitais ou programas de educação. Assim o banco máximo ficaria independente do governo e por conseguinte mais vulnerável ao sistema financeiro internacional e seus interesses.

Argentina refém deste modelo demonstra cada vez mais rejeição pela gestão Macri. Segundo a pesquisa mensal do Centro de Estudos de Opinião Pública (CEOP) de 5 agosto, 64,3% acham que o país está num rumo errado.Seguindo os dados, 77% condena a situação econômica do país,71% tem menos confiança no governo que há um ano atrás e 60,3% concluiu que o acordo com o FMI é prejudicial ao país. Arrependido do tango que ensaiou com Macri, 39,7% segundo Agência Digital de Notícias (ADN) daria a vitória a Cristina Kirchner em 2019, frente aos 30,3 do atual executivo, cadenciando os passos para o fim destes anos de terror.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Renata Lima

Segredo das startups para turbinar seu negócio. Exemplo prático de uso do quadro Kanban

Fred Maia

Das cinzas ao sagrado eterno retorno

Márcio Santilli

Mundo mais quente e Brasil inadimplente

Isabella Queiroz

Educação de quem?

Ivana Bentes

Ponte aérea espacial em meio ao colapso

Álamo Facó

Relativizar as violências que personagens históricos causaram é também perpetuá-las

Ana Claudino

10 livros para aprender sobre antirracismo, feminismo negro, sexualidade e classe social

Juca Ferreira

Tudo certo, como dois e dois são cinco

Márcio Santilli

Um manda e outro obedece

Renata Souza

Em briga de marido e mulher, a gente salva a mulher!

Camarada Gringo

Lucro, liberalismo e nepotismo: os planos de Bezos para o espaço

Laryssa Sampaio

A trégua: “não era a felicidade, era só uma trégua”

Colunista NINJA

Entenda a crise política da Guatemala e a esperança que vem do levante indígena

Morena Meireles

Desinformação no discurso do governo bolsonarista

Márcio Santilli

A responsabilidade pessoal de Braga Netto na crise