Foto: Telesur

Os mil dias de prisão de Milagro Sala,mesmo sem condenação, chegam como demonstração que a Argentina se encontra mais próxima ao autoritarismo. A análise este processo aclara que o judiciário do pais se encontra enfermo manuseado pelo executivo. Cada papel que cai sobre a mesa que possa envolver o governo Macri evapora-se automaticamente, enquanto dos seus opositores são criados a cada dia. Um exemplo aparente é a tentativa de prender a ex-presidente Cristina Kirchner baseada por cópias de um caderno. O objetivo é se prender a carne e osso, para impedir um ideia .

A caçada judicial sobre Milagro e movimento La Tupac começa com a chegada do Partido Cambiemos no executivo nacional e no estado de Jujuy em dezembro de 2015.Os argumentos vão desde organizar um movimento pacífico nos jardins da sede do governo de Geraldo Morales,até mal uso do dinheiro público na construção de habitações. As cooperativas construíram 16 bairros inteiros e 2800 casas, o maior projeto da história da província.

A líder do maior movimento social argentino, serve de laboratório para o uso do judiciário como arma política. Uma justiça injusta para aprisionar opositores de um modelo liberal que levou o país a insolvência,hipotecou a soberania ao FMI e transformou Macri num mandatário impopular. Em verdade , ao construir milhares de habitações num modelo solidário para os mais necessitados, Milagro gerou emprego para os desocupados e arruinou o negócio de construção para empresas privadas golpeando a especulação imobiliária. Uma prática “imperdoável” na cadeia de acumulação de capital.

Presa numa casa na região de ” La Ciénaga”, Milagro escreve um livro a quatro mãos com seu esposo Raul Noro, enquanto ler sobre ascensão de Evo Morales e suas políticas que recuperaram a Bolívia. A líder reafirma sua pretensão de ser governadora justificando que a justiça só voltará,incluso a social, com a mudança na administração. A ação de Milagro é comprovação que existem muitos que pensam e fazem para os que menos tem.

Demostrando total conhecimento do processo histórico que decorre na Argentina e no continente, Milagro clama neste dia:”Desejo que os governos administrem para seu povo e não para o FMI. Pátria sim, colônia não.”

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

SOM.VC

Gatunas: o poder da resistência e da representatividade na cena musical Paraibana

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

William Filho

Legalização da maconha na Alemanha: o início de uma nova onda?

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira