Em uma tentativa de chamar atenção para a importância da cultura e da arte na defesa da democracia, o projeto Brasil com S lançou a sua primeira coleção de avatares em NFT na última quarta-feira, 7 de setembro, dia em que se celebra a Independência do país.

Metade das 2222 artes – número escolhido em homenagem à música “Expresso 2222”, de Gilberto Gil – foi reservada em uma cota exclusiva para artistas. O projeto convidou nomes da artes cênicas, da música e influenciadores digitais, que ganharam um avatar exclusivo da coleção, e também abriu um edital convocando para elaborar obras com o tema “O Brasil do Futuro”.

As artes selecionadas vão compor a primeira exposição artística no Centro Cultural 100% brasileiro que o projeto pretende construir no metaverso com o retorno da coleção. Os artistas precisavam postar a obra nas redes sociais, marcar o Brasil com S e usar a hashtag “#obrasildofuturo”.

Muitas delas trazem críticas sociais e também ao atual presidente Jair Bolsonaro, que nos últimos anos usou a data para convocar a militância e participou de atos antidemocráticos que pediam o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF), retorno da Ditadura Militar entre outras reivindicações.

Artistas já conhecidos no mundo do NFT e dos ativos digitais participaram, como Costa Jpeg e Calvert, mas também muitos outros que estão se aventurando e ingressando neste universo. Todas as obras podem ser conferidas aqui.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Brasil com S (@brasilwithsnft)

Os avatares da coleção possuem uma variedade grande de camadas, com características físicas distribuídas por um algoritmo criado com base em dados do IBGE, para representar da melhor forma a diversidade do Brasil.

Cada avatar vem com um atributo batizado com expressões da língua brasileira como “Chavoso”, “CDF”, “Rolezeiro”, “Cria”, “Mochileiro” e outros, que dão direito a benefícios exclusivos em diferentes áreas, como educação, turismo, cultura e etc.

Outros, como “Militudo”, “Bicho Grilo” e “Pai e Mãe de Pet” preveem repasse dos royalties das transações daquela colecionável para entidades ou ONG’s parceiras do projeto.

As colecionáveis são encontradas no marketplace ‘OpenSea’ ou também pelo site oficial brasilwiths.com. Visando facilitar o acesso e romper a bolha dos que já se interessam pela nova tecnologia, o Brasil com S possibilita a compra por Pix. Com o pagamento, a arte é transferida diretamente pelo projeto para a carteira digital do comprador.

Um dos objetivos do Brasil com S é manter um blog ativo com conteúdos educativos sobre NFT e web 3.0, sobre arte, cultura, e demais questões que se relacionam com o Brasil.

Quem tiver curiosidade sobre o assunto e quiser aprender mais basta seguir o perfil do ‘Brasil com S’ no Instagram (@brasilwithsnft), que lá tem muito conteúdo explicando sobre o projeto e os seus próximos passos.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Estudantes NINJA

Paulo Freire e o encontro com bell hooks: Um diálogo transformador de celebração do amor e da liberdade crítica

Tatiana Barros

Artistas digitais criam NFTs criticando atos antidemocráticos

Márcio Santilli

Amazônia sem lei

Márcio Santilli

Ato bolsonarista no 7 de setembro é comício

Observatório das Eleições 2022

Cada plataforma, um universo: a pluralidade de temas do bolsonarismo e do lulismo no Twitter e no YouTube

Observatório das Eleições 2022

Por que o Auxílio Brasil turbinado não ajudou Bolsonaro entre os mais pobres?

Renata Frade

Lançamentos em Tecnologia por incríveis autoras brasileiras

Márcio Santilli

Estertores do bolsonarismo

Observatório das Eleições 2022

Globalização das eleições? Protestos de brasileiros no exterior

Observatório das Eleições 2022

Os Presidenciáveis e as Cidades

Renata Souza

O crescimento do PSOL é negro, feminista e popular

Observatório das Eleições 2022

Bolsonaro: o presidente-candidato ou o candidato-presidente?

Márcio Santilli

A abstenção pode influir no resultado da eleição?

Marielle Ramires

Um ecocídio em curso

Observatório das Eleições 2022

Ciro e Tebet somam 14% no Datafolha. E agora?