Nas próximas décadas, crianças e jovens estudarão como a sociedade atual enfrentou a terrível pandemia de COVID-19. E para que as injustiças históricas não se repitam, por favor, escrevam que homens brancos foram, mais uma vez, os responsáveis pelas centenas de milhares de mortes por coronavírus.

Enquanto eu escrevo esse texto o número é de 174.336 óbitos e 2,5 milhões pessoas infectadas no mundo.
Mais uma para a conta política do grupo que protagonizou outras tragédias contra humanidade. Basta lembrarmos dos fatos mais terríveis contra a vida humana e perceber a cor e identidade dos seus agentes provocadores: maioria de homens brancos de meia idade, detentores ou usurpadores do poder absoluto, o que, na verdade, se apresentar como um terrível poder de destruição.⁣⁣
⁣⁣
Não entendeu? Por exemplo, olhemos para o presidente dos EUA, do Brasil, e outros países com grandes números de mortes, são todos líderes brancos. Você acha mesmo que a forma com que as relações raciais estruturam e determinam as dinâmicas de poder não tem relação direta com a pandemia?

E sim, eu racializo tudo, pois se a sociedade é fundada pelo racismo, fazer o exercício de compreender como cada grupo está localizado é o mínimo para provocar transformações.

Isso não é sobre generalizar, mas enquanto agentes de uma sociedade estruturada em grupos racializados, é urgente pensar nas dinâmicas e considerar as posições estruturais, e seus efeitos.

Alguns desses homens líderes, no auge de suas prepotências, desrespeitaram as orientações da Organização Mundial da Saúde o que resultou em mais números de mortes. Entre eles, o prefeito de Milão, Giuseppe Sal, que foi a público pedir perdão por ter apoiado uma campanha contra a quarentena no início da pandemia e acabou por agravar a situação do país.

No Brasil, o presidente promove criminosos eventos antidemocráticos, instigando seus apoiadores ao protesto a favor da ditadura militar. Sem contar que esse é o mesmo presidente que foi notificado pela Câmara para que apresente seu exame, uma vez que várias pessoas no seu entorno testaram positivo para coronavírus. É um homem autorizado a produzir caos, assim como outros homens brancos do auge da sua superhumanidade.
⁣⁣
Marco isso para compreender que os mesmos grupos alçados ao lugar de universalidade e ideal de humanidade, têm promovido caos ao longo dos séculos a partir de extermínio e subalternação racial. Poderia relacionar com raça e o regime patriarcal estabelecido, mas isso levaria muito tempo. Inclusive, pesquisem como essas duas lógicas articulam poder a partir de opressão.
⁣⁣
Por essas coisas, eu lembro às próximas gerações como devem ser observados os fatos e agentes para que a história se faça justa e não os apresentem, mais, como salvadores e mentes brilhantes.

Nunca foram, mas sempre utilizaram desse lugar de contar histórias para fazer manutenção de suas narrativas criminosas. Mas, quem falará isso?⁣⁣
⁣⁣
E quem falará que um dos homens mais coerentes desse evento é Tedros Adhanom Ghebreyesus, um homem preto da Etiópia, dirigindo a OMS? ⁣⁣Que a história não o embranqueça para contar sua atuação.

Quem falará que Dr. Jaqueline Goes é uma mulher negra responsável por sequenciar o genoma do vírus no Brasil?⁣⁣

Quem contará a história denunciando que os EUA delegaram que homens encarcerados fossem responsáveis pelo sepultamento das vítimas da Covid-19? ⁣⁣

O país tem mais de 2,1 milhões de pessoas privadas de liberdade, onde a maioria é de homens pretos. ⁣⁣Um homem branco ameaça todo o bem estar daquela sociedade e quando colapsa, determina que homens pretos, desumanizados pelo sistema, façam o serviço de sepultar corpos que, só morreram por irresponsabilidade política de um grupo específico.
⁣⁣
Quem contará que homens pretos da construção civil levantaram os hospitais de emergências, na cidade de São Paulo? Os mesmo criminalizados pela ação da hegemonia.

É… Muita coisa pra dizer… ⁣⁣
⁣⁣
Esse é momento de reescrever a história. Eu só peço que a gente lembre de dar cor, afinal, o racismo apaga crimes brancos e embranquece os bons feitos de homens pretos e mulheres pretas. Qual a cor das pessoas que se arriscam em serviços essenciais como enfermagem, coleta de lixo, domésticos (sim, ainda tem gente mantendo a empregada doméstica nesse momento em que deveria garantir sua quarentena em paz).

Precisamos dizer a qual grupo corresponde o quê, nessa história, pois só reconhecendo os papeis para, humanizar essa sociedade. ⁣É urgente.

No mais, homens brancos, se civilizem. Não dá mais para vocês produzirem tanta violência e culpar a “humanidade” por isso, principalmente porque são vocês que hierarquizam a noção de humanidade e desumanidade, mas isso é papo para um outro momento.

Já já a gente continua!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Filipe Saboia

Recapitulando

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Daniel Zen

O fim do império cognitivo

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL