Foto: Mídia NINJA

É festa em São Cristóvão! O Morro do Tuiuti tem uma história que se confunde com a própria história do Rio de Janeiro. Por mais de 200 anos, a comunidade foi testemunha de muitas das principais transformações físicas e sociais no Rio de Janeiro. Ainda no Rio imperial, a decadência aristocrática tomava forma de opressão violenta sob a forma da escravidão. Com a abolição formal da escravatura, em 1888, e a proclamação da República um ano depois, a desigualdade tomou outras formas. Antigos escravos e pobres migrantes se juntaram em cortiços que se tornaram recantos de pobreza e febre amarela. Durante a primeira década do século vinte, com as reformas urbanas de Pereira Passos, os cortiços foram destruídos e substituídos por boulevards, praças e prédios que hoje estruturam o centro do Rio. Os assentamentos informais no Morro do Tuiuti começaram nessa época e embora não haja registro de quem ocupou o morro primeiro, os relatos locais alegam que foram os trabalhadores que reconstruíram a cidade. Pais e mães de família, em sua maioria negros, construíram uma tradição de atividades carnavalescas, tendo dado origem às escolas de samba Unidos do Tuiuti e Paraíso das Baianas e ao bloco carnavalesco “Bloco dos Brotinhos”. As três agremiações deram origem à atual escola de samba Paraíso do Tuiuti.

O nome Tuiuti está também na História como palco da batalha mais sangrenta do continente sul-americano. Mais de 50 mil homens, em sua maioria negros e mestiços escravizados, participaram forçosamente dessa batalha durante a Guerra do Paraguai, com um saldo de perdas que chegaram a 2935 mortos e 996 feridos, a maioria das vítimas brasileiros.

Foto: Antonio Lacerda EFE

Coube à essa comunidade a heróica façanha de se tornar a campeã do povo no carnaval de 2018. Corajosamente a escola de São Cristóvão colocou a escravidão na centralidade da problemática brasileira. Na raiz de toda desigualdade, violência e injustiça que caracterizam nossa sociedade, a escravidão ocupou a Sapucaí em toda sua extensão histórica para nos trazer aos dias atuais, à democracia golpeada e as malditas reformas neoliberais da quadrilha que assaltou o poder para retirar conquistas sociais dos trabalhadores brasileiros. O golpe de 2016 desfilou ante os olhos do mundo, com os manifestantes manipulados pela mídia hegemônica e trazendo um vampiro ladrão com a faixa presidencial tomada de assalto da legítima mandatária eleita pelo voto popular. Calando a transmissão da Globo, a escola de São Cristóvão consagrou seu enredo na história do carnaval em um dos mais memoráveis desfiles já vistos na Marquês de Sapucaí. Daqui a 50 anos, talvez ninguém se lembre quem venceu o carnaval de 2018, mas certamente nos livros e na memória do povo estará a saga da Paraíso do Tuiuti que um ano após o acidente com um carro alegórico desgovernado que deixou 1 morto e 19 feridos renasceu das cinzas para conquistar o vice-campeonato do jurado oficial e ganhar os corações e mentes daqueles que resistem ao desmonte e à imoralidade do golpe infame contra nossa jovem democracia.

É festa no Morro do Tuiuti porque a primeira coisa que o Brasil precisa reconhecer é que nossa luta mais importante é contra todos os resquícios de escravidão que permanecem arraigados em nossa sociedade. Foram sucessivas as tentativas de invisibilizar o desfile histórico da Tuiuti, todas elas inúteis. A potência de seu enredo tocou o coração dos brasileiros e conquistou de imediato o apoio popular nas redes, nas ruas e na própria passarela do samba.

Venceram as dificuldades econômicas de um carnaval sabotado pela administração do Bispo Crivella. Venceram a mídia que patrocinou o golpe. Venceram o açoite do tronco e a mão opressora do chicote no lombo para afirmar que não somos escravos de nenhum senhor e gritar feito pele do tambor pela liberdade do cativeiro social.

Foto: Mídia NINJA

É o povo pobre, negro e trabalhador daqui, afirmando que a rebeldia e a desobediência civil são capazes de inventar um novo Brasil driblando todos os poderes. Não se pode perder a esperança num país em que o samba aproveita o carnaval para insistir em derrubar os portões da senzala e apontar caminhos para a luta contra a desigualdade, o racismo, a injustiça, o retrocesso e todo obscurantismo que assombram o país nesse começo de século. A Paraíso do Tuiuti fez história no carnaval de 2018 e seu exemplo vai inspirar a resistência mais que necessária em defesa de nossos corpos e nossas vidas. Com beleza, poesia e festa também se luta. Organizar nossa revolta é urgente, sobretudo nesse tempo em que é preciso coragem para defender a alegria!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família