Foto: Caco Argemi

A defesa dos direitos humanos, em um momento de polarização política, transita entre indiferença e o ódio por parte da humanidade. Essa relação fica explícita quando, diante de barbáries, questiona-se: E o pessoal dos direitos humanos? Esses defensores de direitos humanos só defendem bandidos.

Em uma sociedade desigual como a nossa, o “bandido” é aquele que deve ser execrado, e levar até um tiro na “cabecinha” por não se ajustar às normas sociais. Em especial, aquele ser humano que não vende ou não tem quem compre a sua força de trabalho. Seu corpo é a sua moeda de troca. E sua existência é desumanizada.

Eis o nosso problema: uma racionalidade em curso, que generaliza a competição e naturaliza a desigualdade nos valores supremos de uma forma social, a própria expressão da barbárie. Diante disso, como tornar a promoção dos direitos humanos em um objetivo político concreto, quando a lógica do mercado abarca todos os âmbitos da existência? Qual o lugar do humano, numa sociedade onde tudo está passível de se transformar em mercadoria?

A sociedade neoliberal implica uma forma de subjetividade refratária à dignidade humana, e, por isso, extremamente perigosa. A adoção da competitividade como norma de vida solapa a fraternidade e a compaixão, universalizando a “guerra” como referencial. Mesmo porque a “guerra” torna-se um mercado promissor, é o lucro em detrimento da vida. A Necropolítica como essência, como um grande negócio.

A tarefa de construção de uma democracia substancial passa por repensar radicalmente a ideia-força da dignidade humana, incorporando a defesa e a promoção dos direitos humanos como fundamento da comunidade política. Isso passa, necessariamente, pelas políticas de gênero e de raça, que supere as desigualdades de classes. Precisamos de uma nova linguagem para falar de direitos humanos, e métodos menos arcaicos de praticar e exercer a nossa humanidade. Não há “dignidade do eu” desconsiderando o fato de que o eu é relação. ​É na igualdade inegociável que precisamos ancorar a ideia de dignidade humana, como expressão do ser e estar no mundo. A filosofia africana é sábia e aponta caminhos na encruzilhada: Ubuntu – eu sou porque nós somos.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família