Por Renata Souza, Seimour Souza e Marina Iris*

Novembro é um mês importante para o resgate da memória de luta e resistência dos negros no Brasil. É o mês em que relembramos a história de Zumbi dos Palmares, que lutou contra o horrores do Holocausto da escravidão, que matou mais de 4,5 milhões de africanos ao longo de 350 anos.

A luta do Quilombos de Palmares, feita por muitas mãos, como a Ganga Zumba, Zumbi e Dandara, e seguida por Luiza Mahin, Luiz Gama, a Irmandade da Boa Morte, e tantas outras figuras importantes na luta anti escravagista, foi essencial para pôr fim aos horrores da escravização.

O Novembro Negro é um importante momento para a reflexão e revisitar estratégias de resistência negra ao terror causado pelo racismo no Brasil. Os dados demonstram que, apesar dos avanços das políticas públicas e do investimento social, a raça continua sendo um importante marcador social da qualidade de vida das pessoas negras no Brasil.

Segundo o IBGE, os negros representam 70% do grupo abaixo da linha da pobreza. No campo educacional, os negros são 72% dos que evadem da escola, em especial por conta do trabalho precoce, e a pandemia aprofundou ainda mais esse processo.

A taxa de analfabetismo entre negros é mais que o dobro do que de brancos. São 64% dos desempregados do Brasil, e, dos negros que trabalham, 47% estão em trabalho informais.

Na política institucional, no congresso e nas assembleias legislativas, somos apenas 24,4% dos deputados federais e 28,9% dos deputados estaduais eleitos em 2018.

As mulheres negras são o principal grupo de risco nos casos de feminicídio. Os dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública mostram que 61% das mulheres que sofreram feminicídio no Brasil eram negras.

Esses dados demonstram o tamanho do abismo racial no nosso país. Por isso o novembro negro é um importante espaço-tempo não só para denunciar a atual situação dos negros do Brasil, mas para criar políticas públicas efetivas, que para nós, tem um caráter indenizatório e compensatório e de reparação histórica, por sermos nós os que construíram esse país com força, suor e sangue.

Por Zumbi, Dandara, Abdias e Marielle e todos os nossos ancestrais: resistimos e resistiremos!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Andressa Pellanda

Da receita estragada de Bolsonaro ao banquete saboroso da educação libertadora

Observatório das Eleições 2022

Por que o problema da desinformação persiste, quatro anos depois da eleição de Bolsonaro

Observatório das Eleições 2022

A fragilidade do nosso apoio à democracia

Márcio Santilli

Bolsonaro poderá renunciar

Fabio Py

O céu se comoveu no domingo

Márcio Santilli

As presidenciáveis

Juan Espinoza

Defesa dos direitos das mulheres na comunidade pan-amazônica

Observatório das Eleições 2022

Votamos sozinhos, mas fazemos política em grupo: ação coletiva e eleições

FODA

Mulheres negras: potência política em defesa da vida

Márcio Santilli

Bolsonaro confessa ao mundo sua intenção golpista

Observatório das Eleições 2022

A eleição presidencial de 2022 vista pela clivagem regional: continuidade ou mudança?

Rede Justiça Criminal

Você sente segurança com mais prisões e polícia?

Campanha em Defesa do Cerrado

Júri do Tribunal Permanente dos Povos condena estados e empresas por genocídio de povos do Cerrado

Márcio Santilli

Bancada Indígena

Juan Manuel P. Domínguez

Bolsonarismo e satanismo, uma relação estreita