.

Essa é a casa de uma pessoa humilde, que em meio aos confrontos de anteontem à noite, durante ação não registrada da polícia no Complexo do Alemão, teve sua casa alvejada, pela chamada “bala perdida”, que só se perde nas favela, em espaços determinados para isso, onde operação policial é a política pública de nossos governantes para nós. .

.

O estado deveria parar toda vez que a casa DE UMA PESSOA é atingida dessa forma.

Deveriam decretar dias de luto, toda vez que um pobre morre de forma violenta, diante das ações policiais que ao longo da história sempre aconteceram do mesmo jeito, sem nunca mudar nada.
.

.

Enquanto não assumirmos o papo reto de dizer que a favela não é a culpada, nem a fonte de toda essa violência, mas que foi escolhida como palco do terror por conta das desigualdades deste país, nada vai mudar.

.

Não se trata de “guerra às drogas”, não é, nem nunca foi.

É controle violento e exploração de violência, mascarado por essa justificativa hipocrisia. .

#FORÇAFAVELAS
Nossas vidas importam! 👊🏽

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Dríade Aguiar

Não existe 'Duna B'

SOM.VC

Gatunas: o poder da resistência e da representatividade na cena musical Paraibana

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

Jandira Feghali

O Rio que ri

Márcio Santilli

Bolsonaro lança campanha pela própria anistia

Estudantes NINJA

A luta pela educação em São Paulo: contra os cortes e os inimigos da educação!

William Filho

Legalização da maconha na Alemanha: o início de uma nova onda?

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia