Foto: Midia NINJA

É simbólico e político que lideranças indígenas tenham sido recebidas na Fundação Nacional do Índio (Funai) com policiamento intensivo, spray de pimenta, gás lacrimogêneo e tropa de choque.

Um policiamento, que como afirmam as lideranças, é desejado e ausente em aldeias e comunidades que sofrem com as ações de garimpeiros ilegais e criminosos.

Criminosos que lá nas aldeias ameaçam a integridade física e queimam casas de lideranças, como a da líder indígena Maria Leusa, do povo Munduruku; ou atacam comunidades como a Palimi Ú, do povo Yanomami, com armamento pesado na tentativa de expulsá-los de suas terras.

Sem contar o resíduo da destruição, como o mercúrio que contamina os rios e o sangue dos povos; a desnutrição e a fome, a malária e tantos outros atentados contra a existência indígena.

A Funai, órgão indigenista criado para proteger os direitos dos povos, tem à sua frente hoje um delegado da Polícia Federal, Marcelo Xavier, que entre outros feitos negativamente inacreditáveis, esteve na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados para apoiar o PL 490.

Na prática, o PL acaba com a política de demarcação de terras indígenas no Brasil, abrindo possibilidade de revisão de terras indígenas já demarcadas e homologadas.

Em carta pública divulgada ontem pela Apib – Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – eles denunciam que o delegado “transformou a Funai na ‘Fundação da INTIMIDAÇÃO do Índio’, órgão que hoje mais se parece com uma delegacia política, que persegue e criminaliza lideranças”.

Afirmam ainda que o órgão hoje edita atos administrativos anti-indígenas, como a Instrução Normativa nº 09 e outras, negocia medidas no Congresso Nacional. Um verdadeiro escárnio! Uma tentativa de desmoralização e enfraquecimento dos povos.

Nesse sentido, a resposta da PM aos protestos indígenas, da forma como foi, representa os dentes deste governo genocida, que não gosta dos povos indígenas, nem de ninguém.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Ivana Bentes

Ponte aérea espacial em meio ao colapso

Juca Ferreira

Cuba Sim! Embargo Não!

Boaventura de Sousa Santos

Desbolsonarizar a democracia, desmorizar a justiça

Juca Ferreira

O Estadão, Bolsonaro e a Conjuntura

Juca Ferreira

As manifestações de rua e a violência

Márcio Santilli

Um manda e outro obedece

Renata Souza

Em briga de marido e mulher, a gente salva a mulher!

Daniel Zen

Fogos de monturo e de coivara

Márcio Santilli

Ministério de Embromação Ambiental

Isabella Queiroz

Étudier est impérieux: estudantes e pesquisadores brasileiros podem perder suas bolsas na França

Morena Meireles

Desinformação no discurso do governo bolsonarista

Márcio Santilli

A responsabilidade pessoal de Braga Netto na crise

Amanda Pellini

O que está em jogo nos jogos digitais?

Colunista NINJA

Empatia e intolerância: do discurso à prática

Márcio Santilli

Arthur Lira, o predador