Foto: Midia NINJA

É simbólico e político que lideranças indígenas tenham sido recebidas na Fundação Nacional do Índio (Funai) com policiamento intensivo, spray de pimenta, gás lacrimogêneo e tropa de choque.

Um policiamento, que como afirmam as lideranças, é desejado e ausente em aldeias e comunidades que sofrem com as ações de garimpeiros ilegais e criminosos.

Criminosos que lá nas aldeias ameaçam a integridade física e queimam casas de lideranças, como a da líder indígena Maria Leusa, do povo Munduruku; ou atacam comunidades como a Palimi Ú, do povo Yanomami, com armamento pesado na tentativa de expulsá-los de suas terras.

Sem contar o resíduo da destruição, como o mercúrio que contamina os rios e o sangue dos povos; a desnutrição e a fome, a malária e tantos outros atentados contra a existência indígena.

A Funai, órgão indigenista criado para proteger os direitos dos povos, tem à sua frente hoje um delegado da Polícia Federal, Marcelo Xavier, que entre outros feitos negativamente inacreditáveis, esteve na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados para apoiar o PL 490.

Na prática, o PL acaba com a política de demarcação de terras indígenas no Brasil, abrindo possibilidade de revisão de terras indígenas já demarcadas e homologadas.

Em carta pública divulgada ontem pela Apib – Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – eles denunciam que o delegado “transformou a Funai na ‘Fundação da INTIMIDAÇÃO do Índio’, órgão que hoje mais se parece com uma delegacia política, que persegue e criminaliza lideranças”.

Afirmam ainda que o órgão hoje edita atos administrativos anti-indígenas, como a Instrução Normativa nº 09 e outras, negocia medidas no Congresso Nacional. Um verdadeiro escárnio! Uma tentativa de desmoralização e enfraquecimento dos povos.

Nesse sentido, a resposta da PM aos protestos indígenas, da forma como foi, representa os dentes deste governo genocida, que não gosta dos povos indígenas, nem de ninguém.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Design Ativista

Mais que mil caracteres

Márcio Santilli

Golpe em falso

Juan Manuel P. Domínguez

A direita dá um banho de sangue no Peru

NINJA Esporte Clube

Camisa da seleção tem seu pior momento: é símbolo de terrorismo

Tatiana Barros

Os sintomas da não-binariedade

Monique Prada

Alvo de notícia falsa, trabalhadora do sexo manda recado para a primeira-dama

Design Ativista

Quando a moda é criada com a natureza, por mulheres, em suas comunidades

Uirá Porã

O início de uma era singular

Márcio Santilli

Militares precisam incorporar emergência climática a sua visão estratégica

Márcio Santilli

Direita quer mutilar Frente Parlamentar Indígena

Célio Turino

Sobre os Pontos de Cultura e o conceito de Cultura Viva

Ivana Bentes

Olhar é um ato violento

Márcio Santilli

Marina no clima

Mariane Santana

Censurada, novamente, a fotógrafa Pamela Facco cobra judicialmente o Instagram mesmo após ter ganho caso em 2019 contra danos morais à sua conta