Crônicas da Casa Ninja Amazônia que trazem a história da Mídia NINJA na região

Marielle Ramires, cuiabana e co-fundadora do Fora do Eixo e Mídia NINJA (Mídia NINJA)

Depois da imensidão de mergulho da primeira rota da Casa Ninja Amazônia Tour, o que mais tenho aqui são histórias. Hoje começo algumas crônicas que intitulei “#CasaNinjaAmazoniaTour: o reencontro com nós mesmos”.

Rodar o Brasil e as Amazônias tem sido uma volta para casa ‘à caráter’. Depois de anos de lutas intensivas contra golpes, por direitos, contra o fascismo, pela vida, finalmente carimbamos nossos passaportes de volta aos nossos territórios. Folhas, galhos, barro, árvore, águas, chão, muito chão. A nossa cidade número 1, a primeira parada:

Cuiabá: onde tudo começou

Casa Ninja Amazônia Tour, dia 1º. Chegamos em Cuiabá. Tudo pronto, coração a mil e olhar determinado no horizonte. Esse é o início de um mergulho de 30 dias.

O sorriso não cabia de tão largo, nossa passagem seria breve, mas precisava mostrar uns cantinhos da cidade pros meus, alguns ali pela primeira vez. O Rio Cuiabá, o centro geodésico da América do Sul, a catedral e a praça da República, a igreja de São Benedito, os quitutes cuiabanos.

O encontro com dona Eulália e, ao acaso, com Bella Campos que a visitava, foi sincronicidade. Logo que chegamos elas estavam todas ali na frente da casa. Imagine! Quase nem íamos lá, já era tarde para os quitutes. Mas o Frank, motorista da van, contou que estavam ficando até mais tarde por lá. Arriscamos, e deu certo.

A tradição e a ancestralidade da quituteira mais famosa de Cuiabá, com a novidade da atriz que está hoje em uma das novelas de maior sucesso da emissora. E claro, nossa van cheia de Ninjas, com o bilhete de retorno carimbado, dez anos depois da nossa Nave Fora do Eixo ter partido.

Cuiabá foi um reencontro com o nosso ponto de partida. Nosso ninho de afetividades. O brilho nos olhos de nossas mães, o abraço de nossos aliados históricos, que nos conheceram de origem.


Dona Domingas com sua reza forte de fazer desabar as águas do céu. A chuva de mamãe Oxum, que caiu subitamente para nos saudar ao fim com arco-íris. Me emocionei profundamente. Sentimo-nos abençoados.

Na saída, com as palavras de Marina Capilé, lembrei-me de Fred Maia: São Marcos na frente e São Marcos atrás. Ligamos o motor da van e partimos para nossa primeira parada a quase 500 km dali. Vila Bela da Santíssima Trindade.



Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas