Por Luana Alves, vereadora

No dia 3 de maio, uma mulher branca foi expulsa de uma estação de metrô em São Paulo por uma multidão aos gritos: as pessoas ficaram indignadas quando, ainda dentro do trem, ela disse a uma passageira negra para se afastar pois “o cabelo crespo dela poderia transmitir doenças”. No mesmo dia, pouco depois desse episódio, a Câmara Municipal de São Paulo presenciou mais um caso de racismo explícito. Logo no início da sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga os aplicativos de transporte e delivery, o microfone do vereador Camilo Cristófaro foi aberto e o flagrou utilizando o termo “coisa de preto” para falar sobre um serviço de limpeza malfeito. A sessão foi interrompida, a Corregedoria Parlamentar foi acionada e o caso foi levado para a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, onde está sendo investigado o crime de racismo.

Em um intervalo de tempo tão curto, dois casos assustadores e inegáveis de racismo tomaram conta das manchetes dos principais veículos de comunicação do país – mas quantas outras pessoas negras foram vítimas de racismo nesse mesmo período e não tiveram visibilidade sobre a violência que sofreram? Um levantamento realizado pelo Tribunal de Justiça e divulgado em abril deste ano revelou um dado estarrecedor: no período mais intenso da pandemia, entre 2020 e 2021, o número de casos ligados ao racismo aumentou 736% no estado de São Paulo. A pesquisa levou em consideração os processos judiciais relativos a casos de injúria racial e crimes ligados a preconceito de raça e/ou cor – só em 2021, foram 251 processos tramitados no Tribunal de Justiça.

Os dados falam por si, mas não são a única fonte de legitimação da necessidade da luta antirracista, afinal de contas, quantos casos de discriminação racial não chegam aos tribunais apesar de racismo ser tipificado como crime desde 1989? O aumento do número de processos como o que foi aberto contra o vereador Camilo Cristófaro, que poderá ter inclusive seu cargo cassado, e a manifestação de revolta formada espontaneamente dentro do metrô contra a mulher racista são indicativos de uma única coisa: as pessoas estão cansadas do racismo sufocante que atravessa a história do nosso país. Tais situações não são indicativos de que a presença do racismo no cotidiano aumentou, mas sim de que a resposta a ele se faz urgente. Ninguém, com exceção dos racistas que lucram e tem seus privilégios assegurados na manutenção do racismo, aguenta mais.

É preciso reforçar que racistas não passarão, mas é preciso garantir que eles, de fato, não passem – e, para isso, cada um pode utilizar as ferramentas que estão disponíveis de acordo com suas configurações individuais. Seja uma vereadora negra garantindo que um vereador branco seja investigado e tenha o mandato cassado por uma frase racista, seja um passageiro de metrô manifestando indignação e registrando com seu celular uma pessoa negra sofrendo violência. O ciclo de silêncio, de tolerância, de relativização do racismo é o que faz com que ele continue fincado na malha social brasileira: esse mal precisa ser arrancado pela raiz para que não mais encontre espaço para dar frutos. Devemos começar a olhar a questão através da ótica de que racismo não deve ser socialmente repudiado por ser crime, mas sim que racismo é crime justamente por ser um comportamento repugnante: o combate ao racismo precisa acontecer dentro e fora das esferas institucionais.

É nítido que se tratando de um país colonizado há 520 anos, com histórico de genocídio negro e indígena e sendo o último país do continente americano a abolir a escravidão, muita coisa precisa ser feita. Em 2021, a estátua de Borba Gato, um bandeirante responsável por assassinar e violentar inúmeros negros e indígenas, foi incendiada – é preciso rever quem são os homenageados nas ruas, praças e monumentos do nosso país. É preciso resgatar as referências negras e indígenas que construíram esse país e colocá-las em evidência. É preciso implementar o ensino de africanidades, história indígena e relações étnico-raciais nas escolas. É preciso institucionalizar a formação antirracista para profissionais de saúde, de educação e, principalmente, de segurança pública e privada. Só assim, derrubando estátua por estátua, construiremos, de fato, cidades antirracistas.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Estudantes NINJA

Paulo Freire e o encontro com bell hooks: Um diálogo transformador de celebração do amor e da liberdade crítica

Tatiana Barros

Artistas digitais criam NFTs criticando atos antidemocráticos

Márcio Santilli

Amazônia sem lei

Márcio Santilli

Ato bolsonarista no 7 de setembro é comício

Observatório das Eleições 2022

Cada plataforma, um universo: a pluralidade de temas do bolsonarismo e do lulismo no Twitter e no YouTube

Observatório das Eleições 2022

Por que o Auxílio Brasil turbinado não ajudou Bolsonaro entre os mais pobres?

Renata Frade

Lançamentos em Tecnologia por incríveis autoras brasileiras

Márcio Santilli

Estertores do bolsonarismo

Observatório das Eleições 2022

Globalização das eleições? Protestos de brasileiros no exterior

Observatório das Eleições 2022

Os Presidenciáveis e as Cidades

Renata Souza

O crescimento do PSOL é negro, feminista e popular

Observatório das Eleições 2022

Bolsonaro: o presidente-candidato ou o candidato-presidente?

Márcio Santilli

A abstenção pode influir no resultado da eleição?

Marielle Ramires

Um ecocídio em curso

Observatório das Eleições 2022

Ciro e Tebet somam 14% no Datafolha. E agora?