Por Luana Alves, vereadora

No dia 3 de maio, uma mulher branca foi expulsa de uma estação de metrô em São Paulo por uma multidão aos gritos: as pessoas ficaram indignadas quando, ainda dentro do trem, ela disse a uma passageira negra para se afastar pois “o cabelo crespo dela poderia transmitir doenças”. No mesmo dia, pouco depois desse episódio, a Câmara Municipal de São Paulo presenciou mais um caso de racismo explícito. Logo no início da sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga os aplicativos de transporte e delivery, o microfone do vereador Camilo Cristófaro foi aberto e o flagrou utilizando o termo “coisa de preto” para falar sobre um serviço de limpeza malfeito. A sessão foi interrompida, a Corregedoria Parlamentar foi acionada e o caso foi levado para a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, onde está sendo investigado o crime de racismo.

Em um intervalo de tempo tão curto, dois casos assustadores e inegáveis de racismo tomaram conta das manchetes dos principais veículos de comunicação do país – mas quantas outras pessoas negras foram vítimas de racismo nesse mesmo período e não tiveram visibilidade sobre a violência que sofreram? Um levantamento realizado pelo Tribunal de Justiça e divulgado em abril deste ano revelou um dado estarrecedor: no período mais intenso da pandemia, entre 2020 e 2021, o número de casos ligados ao racismo aumentou 736% no estado de São Paulo. A pesquisa levou em consideração os processos judiciais relativos a casos de injúria racial e crimes ligados a preconceito de raça e/ou cor – só em 2021, foram 251 processos tramitados no Tribunal de Justiça.

Os dados falam por si, mas não são a única fonte de legitimação da necessidade da luta antirracista, afinal de contas, quantos casos de discriminação racial não chegam aos tribunais apesar de racismo ser tipificado como crime desde 1989? O aumento do número de processos como o que foi aberto contra o vereador Camilo Cristófaro, que poderá ter inclusive seu cargo cassado, e a manifestação de revolta formada espontaneamente dentro do metrô contra a mulher racista são indicativos de uma única coisa: as pessoas estão cansadas do racismo sufocante que atravessa a história do nosso país. Tais situações não são indicativos de que a presença do racismo no cotidiano aumentou, mas sim de que a resposta a ele se faz urgente. Ninguém, com exceção dos racistas que lucram e tem seus privilégios assegurados na manutenção do racismo, aguenta mais.

É preciso reforçar que racistas não passarão, mas é preciso garantir que eles, de fato, não passem – e, para isso, cada um pode utilizar as ferramentas que estão disponíveis de acordo com suas configurações individuais. Seja uma vereadora negra garantindo que um vereador branco seja investigado e tenha o mandato cassado por uma frase racista, seja um passageiro de metrô manifestando indignação e registrando com seu celular uma pessoa negra sofrendo violência. O ciclo de silêncio, de tolerância, de relativização do racismo é o que faz com que ele continue fincado na malha social brasileira: esse mal precisa ser arrancado pela raiz para que não mais encontre espaço para dar frutos. Devemos começar a olhar a questão através da ótica de que racismo não deve ser socialmente repudiado por ser crime, mas sim que racismo é crime justamente por ser um comportamento repugnante: o combate ao racismo precisa acontecer dentro e fora das esferas institucionais.

É nítido que se tratando de um país colonizado há 520 anos, com histórico de genocídio negro e indígena e sendo o último país do continente americano a abolir a escravidão, muita coisa precisa ser feita. Em 2021, a estátua de Borba Gato, um bandeirante responsável por assassinar e violentar inúmeros negros e indígenas, foi incendiada – é preciso rever quem são os homenageados nas ruas, praças e monumentos do nosso país. É preciso resgatar as referências negras e indígenas que construíram esse país e colocá-las em evidência. É preciso implementar o ensino de africanidades, história indígena e relações étnico-raciais nas escolas. É preciso institucionalizar a formação antirracista para profissionais de saúde, de educação e, principalmente, de segurança pública e privada. Só assim, derrubando estátua por estátua, construiremos, de fato, cidades antirracistas.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Eduardo Sá

“Lula transmite um amor maior”, afirma Filipe Ret

Observatório das Eleições 2022

Bolsonaro e o uso enganoso dos dados sobre entrega de títulos de propriedade

Observatório das Eleições 2022

Eleições 2022: candidatura feminina é igual em qualquer lugar?

Estudantes NINJA

Paulo Freire e o encontro com bell hooks: Um diálogo transformador de celebração do amor e da liberdade crítica

Tatiana Barros

Artistas digitais criam NFTs criticando atos antidemocráticos

Márcio Santilli

Debate sobre a pauta socioambiental vai esquentar no novo Congresso

Andressa Pellanda

Manual para votar em candidaturas que defendem (de verdade) a educação

Observatório das Eleições 2022

Titular e pacificar em nome do desenvolvimento: Bolsonaro e conflitos no campo

Observatório das Eleições 2022

Por que o Auxílio Brasil turbinado não ajudou Bolsonaro entre os mais pobres?

Renata Frade

Lançamentos em Tecnologia por incríveis autoras brasileiras

Colunista NINJA

O voto é secreto e necessário: o voto liberta

Observatório das Eleições 2022

Youtube e o seu sistema de recomendação de conteúdos na eleições de 2022 no Brasil

Márcio Santilli

Vantagem de Lula alavanca candidaturas nos estados

Observatório das Eleições 2022

Gamers: um público em disputa pelas principais campanhas à Presidência em 2022

Bancada Feminista do PSOL

As 5 principais ideias da Bancada Feminista