Foto: arquivo pessoal

Por Deives Picáz

Desde o ano em que contei para os meus pais que sou gay, muita coisa mudou na minha vida. Mas a primeira coisa que mudou na vida deles foi o receio do que pudesse acontecer comigo já que vivemos em um dos países que mais mata pessoas da comunidade LGBTQIA+. E assim, me pediram a não exposição sobre o assunto na internet.

Porém, conforme o tempo foi passando, a ânsia de vomitar tudo aquilo que doía em mim foi aumentando. Eu já não queria mais me calar diante do que acontece com jovens da comunidade LGBTQIA+ porque, afinal, calado ou protestando, isso também poderia vir acontecer comigo.

Depois de um tempo produzindo conteúdo na internet, meus pais entenderam que falar sobre a minha sexualidade era necessário e poderia ajudar outros jovens que ainda não se sentem confortáveis em falar.

Meu principal conteúdo do Instagram é a inclusão, mas eu jamais deixaria de fora a luta que enfrento todos os dias, que é saber que a cada 26 horas, pais estão perdendo seus filhos para a lgbtfobia.

Foi tão bom unir a bandeira PCD à bandeira LGBTQIA+ porque abrange mais pessoas interessadas por um só dos dois assuntos, mas que acabam se conscientizando por consumir involuntariamente os dois.

A luta não para, a voz não se cala e as cores se exalam!

Precisamos entender que ficar calado não evita nada, mas lutar pelo que é nosso, evita!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Ana Claudino

Eles odeiam gente como nós

Renata Souza

A cor da resistência

Colunista NINJA

Contra ataques, afirmamos o ENEM como instrumento de democracia

Colunista NINJA

MARIGHELLA, o roteiro

Agatha Íris

Mister Trans Brasil, seria o seu conceito de beleza embranquecido e normativo?

Laryssa Sampaio

Meu pequeno país: o genocídio e a guerra em Ruanda pelo olhar de Gabriel

Rachel Daniel

São Paulo é a Sodoma de nossos tempos, o gado da Bovespa o bezerro de ouro

Márcio Santilli

Semipresidencialismo é o centrão sempre com o poder na mão

Alexandre Araújo

Copo "meio cheio" não salva uma casa em chamas

Bruno Trezena

Eu não conhecia Bolsonaro

Márcio Santilli

Farsa bolsonarista na COP-26

Bancada Feminista do PSOL

Manifesto Juventude Negra Viva e Livre

Agatha Íris

Mister Trans Brasil, seria o seu conceito de beleza embranquecido e normativo?

Amanda Pellini

Criatividade e resistência. Entrevista com Fábio Miranda, criador do projeto Instituto Favela da Paz

Colunista NINJA

Leal, honesto, amoroso: "Marighella" evoca resistência, enche de tensão e faz chorar