.

Um jurista, membro da “elite” branca brasileira, disse que não sabe como vai fazer para viver no país porque não é negro, nem índio, nem da população LGBT, nem invasor de terras e, portanto, não sabe como vai conseguir viver aqui no Brasil.

O que este advogado não entende, ou melhor, não quer entender, é que, graças à injustiça que há no Brasil, ele e a classe que ele representa é que vivem com a dignidade e qualidade que todo cidadão deveria viver. Mas, estas pessoas que ele citou: o negro, o, pobre, o índio, o sem teto e sem terra, o membro da população LGBT, é que, de fato, não vivem, e não vivem porque gente como ele não deixa!

No Brasil os parlamentares fazem a lei, como de resto, em qualquer nação democrática, porém, no Brasil os parlamentares decidem se vão ou não cumprir a lei estabelecida por eles, e eles chamam isso de separação de poderes, isto é: o Judiciário que julga se houve ou não o cumprimento da lei, quando o juízo for contra um parlamentar, o Judiciário tem de lhes perguntar se pode ou não executar a lei.

O jornalista fez um comentário racista, estão dizendo que ele deve ser perdoado… Jesus pediu que o Pai perdoasse os que não sabem o que fazem, porém, o jornalista, até por força da profissão, sabia o que estava fazendo.

Aos que sabem o que fazem Jesus pediu o juízo do Pai.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas