.

No dia 31 de agosto, às 19h, a Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito promoverá no Instituto de Filosofia e Ciências sociais da UFRJ, o debate “O direito nosso de cada dia”, com a presença da Dra. Regina Novaes e do Dr. Alexandre Brasil. Vamos conversar sobre a reação ao descalabro que estamos assistindo.

Tráfico de drogas; compra de votos; exploração ilegal de nióbio; desvio de recursos do porto de Santos/SP, da Petrobras, de Furnas; extorsão; tráfico de influências; assassinato…

Essas são algumas das acusações que pairam sobre os que governam o país.

Ser pequena por parte destas acusações se confirmarem, temos um cartel do crime no comando do Brasil.

Como podem pastores irem a tais pessoas para saudá-las e abençoá-las?

Se não fossem pelas acusações, que inexplicavelmente a toga não investiga, bastava o fato de terem derrubado os direitos dos trabalhadores, seja pela terceirização ilimitada, seja pela reforma trabalhista; ou por terem cancelado investimentos sociais por 20 anos; ou por terem acabado com programas como a Farmácia Popular.

E foram pastores de todo tipo: pentecostais, neopentecostais e históricos. Inclusive foram também os deterministas, que creem num deus menor, logo em um outro deus, que não é onisciente, é só soberano.

Interessante é que os deterministas são os que estão tentando acabar com pentecostalismo, pelo ensino de sua teologia, que não crê nos carismas.

E todos se encontraram, de alguma forma, em Brasília.

Entre esses estão os líderes espirituais que suportam, politicamente, a maior parte da bancada evangélica, e que estão criando o fenômeno dos que vivem, economicamente, na miséria e, mesmo assim, apoiam a direita e o golpe. Os tais líderes lhes ensinam a antibíblica subserviência ao poder, ainda que corrupto, e deles cobram os dízimos e as ofertas, enquanto apoiam a política de desemprego, de redução de salários e de perda de direitos, sem contar a dilapidação do patrimônio nacional, e viajam em seus jatos, seus carros esportivos importados, seus iates e suas motos suntuosas.

Como explicar isso? Parafraseando um ditado francês, talvez seja apenas por que os canalhas sempre acabam se encontrando.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Daniel Zen

Acessibilidade e portabilidade à prova da ignorância

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família