Foto: Ricardo Stuckert

Muita controvérsia há em relação à Amazônia. Chamada de pulmão do mundo, e, uma das provedoras do “rio voador “, responsável pelo ciclo das chuvas, a região, com sua imensa floresta e sua biodiversidade é, de fato, patrimônio da humanidade.

Contudo, parte de todo esse potencial está num território nacional, no caso, no Brasil. Isso significa que a questão da soberania nacional está na pauta. O que suscita a questão sobre até onde uma nação, no exercício de sua soberania, pode afetar todo o planeta. É claro que todas as nações têm sobre si esse peso, mas uma nação que detém o pulmão do mundo o tem em maior densidade.

Muito debate tem havido em nosso país sobre a extensão da nossa soberania sobre a Amazônia e as demais florestas que abrigamos, em relação a quanto podemos, ainda, explorar, principalmente, frente a expansão da nossa fronteira agrícola. Desse debate participam cientistas, economistas, agricultores, ONGs, políticos e, sem dúvida, toda a sociedade deve participar.

O Brasil tem se assumido como exportador de “commodities”. A escolha por “commodities” tende à monocultura, que, por definição, empobrece o solo, o que pede por mais espaço.

A mais grave tentativa de expansão irresponsável da fronteira agrícola foi a aprovação, no passado, por parte do Congresso Nacional, do novo código florestal que, graças a Deus, foi em parte vetado pelo governo popular. Esse movimento explica a luta sanguinária que está sendo travada no país, agora, agravada pela chamada MP da grilagem. A questão em pauta é quanto desmatamento ainda é possível.

Nessa luta está também a Igreja, e deve estar como profeta para lembrar ao Brasil de sua responsabilidade do mundo.

Nenhum desmatamento deve ser permitido, já há suficiente espaço para a fronteira agropecuária, além do que, esse modelo precisa ser revisto, porque além da monocultura, usa excessivamente agrotóxicos. É preciso engajamento para que toda nação veja que está em jogo um exercício responsável da soberania.

A Amazônia é o território da angústia do mundo, e é, portanto, a maior responsabilidade do Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Ivana Bentes

As ricas também sofrem!

Renata Souza

E o pessoal dos Direitos Humanos? 

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Daniel Zen

Acessibilidade e portabilidade à prova da ignorância

André Barros

ARESP 1625710/RJ do plantador de maconha

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família

Ana Claudino

O amor camarada sapatão

Cleidiana Ramos

O culto a São Lázaro faz lembrar dos corpos que se deseja esquecer