Foto: Ricardo Stuckert

Muita controvérsia há em relação à Amazônia. Chamada de pulmão do mundo, e, uma das provedoras do “rio voador “, responsável pelo ciclo das chuvas, a região, com sua imensa floresta e sua biodiversidade é, de fato, patrimônio da humanidade.

Contudo, parte de todo esse potencial está num território nacional, no caso, no Brasil. Isso significa que a questão da soberania nacional está na pauta. O que suscita a questão sobre até onde uma nação, no exercício de sua soberania, pode afetar todo o planeta. É claro que todas as nações têm sobre si esse peso, mas uma nação que detém o pulmão do mundo o tem em maior densidade.

Muito debate tem havido em nosso país sobre a extensão da nossa soberania sobre a Amazônia e as demais florestas que abrigamos, em relação a quanto podemos, ainda, explorar, principalmente, frente a expansão da nossa fronteira agrícola. Desse debate participam cientistas, economistas, agricultores, ONGs, políticos e, sem dúvida, toda a sociedade deve participar.

O Brasil tem se assumido como exportador de “commodities”. A escolha por “commodities” tende à monocultura, que, por definição, empobrece o solo, o que pede por mais espaço.

A mais grave tentativa de expansão irresponsável da fronteira agrícola foi a aprovação, no passado, por parte do Congresso Nacional, do novo código florestal que, graças a Deus, foi em parte vetado pelo governo popular. Esse movimento explica a luta sanguinária que está sendo travada no país, agora, agravada pela chamada MP da grilagem. A questão em pauta é quanto desmatamento ainda é possível.

Nessa luta está também a Igreja, e deve estar como profeta para lembrar ao Brasil de sua responsabilidade do mundo.

Nenhum desmatamento deve ser permitido, já há suficiente espaço para a fronteira agropecuária, além do que, esse modelo precisa ser revisto, porque além da monocultura, usa excessivamente agrotóxicos. É preciso engajamento para que toda nação veja que está em jogo um exercício responsável da soberania.

A Amazônia é o território da angústia do mundo, e é, portanto, a maior responsabilidade do Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil