Foto: Ricardo Stuckert

Muita controvérsia há em relação à Amazônia. Chamada de pulmão do mundo, e, uma das provedoras do “rio voador “, responsável pelo ciclo das chuvas, a região, com sua imensa floresta e sua biodiversidade é, de fato, patrimônio da humanidade.

Contudo, parte de todo esse potencial está num território nacional, no caso, no Brasil. Isso significa que a questão da soberania nacional está na pauta. O que suscita a questão sobre até onde uma nação, no exercício de sua soberania, pode afetar todo o planeta. É claro que todas as nações têm sobre si esse peso, mas uma nação que detém o pulmão do mundo o tem em maior densidade.

Muito debate tem havido em nosso país sobre a extensão da nossa soberania sobre a Amazônia e as demais florestas que abrigamos, em relação a quanto podemos, ainda, explorar, principalmente, frente a expansão da nossa fronteira agrícola. Desse debate participam cientistas, economistas, agricultores, ONGs, políticos e, sem dúvida, toda a sociedade deve participar.

O Brasil tem se assumido como exportador de “commodities”. A escolha por “commodities” tende à monocultura, que, por definição, empobrece o solo, o que pede por mais espaço.

A mais grave tentativa de expansão irresponsável da fronteira agrícola foi a aprovação, no passado, por parte do Congresso Nacional, do novo código florestal que, graças a Deus, foi em parte vetado pelo governo popular. Esse movimento explica a luta sanguinária que está sendo travada no país, agora, agravada pela chamada MP da grilagem. A questão em pauta é quanto desmatamento ainda é possível.

Nessa luta está também a Igreja, e deve estar como profeta para lembrar ao Brasil de sua responsabilidade do mundo.

Nenhum desmatamento deve ser permitido, já há suficiente espaço para a fronteira agropecuária, além do que, esse modelo precisa ser revisto, porque além da monocultura, usa excessivamente agrotóxicos. É preciso engajamento para que toda nação veja que está em jogo um exercício responsável da soberania.

A Amazônia é o território da angústia do mundo, e é, portanto, a maior responsabilidade do Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

SOM.VC

Gatunas: o poder da resistência e da representatividade na cena musical Paraibana

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

William Filho

Legalização da maconha na Alemanha: o início de uma nova onda?

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira