.

A votação pelo Senado no dia 11 de julho de 2017, em que foi aprovada a reforma trabalhista, fez o Brasil retroceder em muito: cerca de 70 anos nas relações trabalhistas; cerca de 120 anos nas relações de trabalho e milênios nas relações humanas.

Retrocedeu na relação trabalhista porque houve uma quebra do acordo entre o capital e o trabalho, celebrado pelo trabalhismo, promovido por Getúlio e retomado pelo governo popular, onde o capital nacional geraria emprego com dignidade, pelo reconhecimento dos direitos dos trabalhadores, e salário que distribuísse a renda para os trabalhadores nacionais, creditando a eles, também, o mérito da produção da riqueza.

Em contrapartida, o capital nacional seria protegido da concorrência internacional; daí por que tantas benesses do Estado em relação ao capital: sejam empréstimos, com juros subsidiados, para compra de equipamentos e manutenção de capital de giro, além de seletividade nos impostos, entre outros, diferenciando o empregador nacional do empregador Internacional, que, a rigor, para atuar em solo nacional tinha de nacionalizar-se, o que permitiu que a empresa nacional crescesse a ponto de algumas delas alcançarem o status de multinacionais.

O Estado se incumbiria de administrar essa relação de direitos; e de investir na infraestrutura, na educação, na saúde, na moradia para o bem de todos; assim como garantir a soberania nacional pela preservação, com adequada exploração e administração dos recursos naturais.

Esse acordo, há muito vinha sofrendo reveses, sendo o mais recente a terceirização ilimitada. Com a votação do Senado, foi implodido. O agravante é que perdeu só o trabalhador, já que o empregador continua contando com a parceria plena do Estado.

Retrocedeu na relação de trabalho, porque o trabalho passou a ser uma espécie de benesse do capital, onde o trabalhador deve ao empregador e trabalha nos termos deste. Ainda que alguns direitos do trabalhador tenham sido mantidos, a relação se aproximou do escravismo.

Retrocedeu nas relações humanas. Desde a muito a humanidade desconfiou da diferença entre seres humanos: alguns mais hábeis que os outros, alguns mais perspicazes que os outros, alguns mais fortes que os outros. Durante muito tempo a humanidade atribuiu essas diferenças a favores dos deuses, que davam a tais agraciados o privilégio de exercer algum tipo de domínio sobre os demais.

A fé cristã, a partir da revelação aos hebreus, e da universalidade da redenção do Cristo, Jesus de Nazaré, tratou de realinhar essa observação. Ensinou, assim, que houve uma tragédia com a espécie humana, de modo que passamos a sofrer os reveses dessa tragédia na nossa formação desde o nascimento, porém, somos uma só família, a unidade humana, daí humanidade, por isso, todos os dons e possibilidades são para o bem de todos, uma vez que o são para a construção da humanidade, da unidade humana, para que todos os membros da humanidade desfrutem de tudo que Deus é e de tudo que Deus doa, a isso a fé cristã chama de Justiça..

O Brasil, que se tem como uma nação pautada pelos princípios cristãos, e que, engatinhando, estava começando a escapar do equívoco primitivo, com essa votação voltou à lógica de onde custou para começar a sair.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil