O legado que um brasileiro deixou após um infeliz incidente

Foto: Wander Roberto / COB

Por Mayara Silva

No dia da maratona dos Jogos de Tokyo 2020 realizado hoje no Japão (no dia anterior no Brasil), não há como ninguém esquecer, principalmente o torcedor brasileiro, do que aconteceu na maratona masculina nos Jogos Olímpicos de Atenas em 2004. Há exatos 17 anos, Vanderlei Cordeiro de Lima conquistava a medalha de bronze na maratona nos Jogos Olímpicos de Atenas 2004, na Grécia.

Vanderley, 35 anos na altura, se destacava na Maratona masculina e corria em busca da tão sonhada medalha de ouro olímpica, pois a maratona dos Jogos Olímpicos de 2004 era uma das provas mais cobiçadas. Mais de 100 anos depois, a prova regressava a Atenas e a lista de candidatos ao pódio era enorme, mas Vanderley não se intimidou e corria a maratona do jeito que tinha planejado com o seu treinador. O que ele não esperava, era que no quilômetro 35 da disputa ele seria atacado por um fanático religioso, um ex-padre irlandês Cornelius Horan.

Felizmente depois do susto, o atleta conseguiu voltar ao percurso por causa da ajuda do grego Polyvios Kossivas que assistia à maratona.

“O ataque foi uma surpresa para mim. Não pude me defender porque estava me concentrando na corrida. Não sei o que teria acontecido se o grego que me ajudou tão rapidamente não tivesse reagido da maneira que reagiu. Dou muito crédito a ele por sua coragem”

Foto: Edesporto

“Talvez as coisas pudessem ter sido diferentes, porque depois comecei a ter problemas, não conseguia concentrar-me. Foi muito difícil para mim terminar. Com meu espírito olímpico mostrei minha determinação e ganhei uma medalha”.

Esse espírito fez de Vanderlei um vencedor para muitos fãs do atletismo em todo o mundo. O ato heroico de continuar na prova, mesmo tendo sido agredido durante a corrida, e a demonstração de espírito olímpico o levaram a ser homenageado pelo Comitê Olímpico Internacional com a medalha Pierre de Coubertin a maior condecoração de cunho humanitária-esportiva concedida pela entidade.

O ex-atleta foi o escolhido para acender a pira olímpica na cerimônia de abertura das Olimpíadas Rio 2016, e esse momento foi outro marco histórico na sua vida.

Foto: Reprodução / Instagram

Texto produzido em cobertura colaborativa da NINJA Esporte Clube

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas